António Jorge Gonçalves

Ilustrador, autor de banda desenhada, caricaturista, cenógrafo, designer gráfico e docente, António Jorge Gonçalves nasceu a 19 de outubro de 1964, em Lisboa.
É licenciado em Design de Comunicação pela (antiga) ESBAL (Escola Superior de Belas Artes de Lisboa) e mestre em Design Para Teatro pela SLADE School of Fine Arts, do Reino Unido, tendo lecionado no INEPI (Instituto Nacional de Engenharia e Tecnologia Industrial) e na ETIC (Escola Técnica de Imagem e Comunicação), em Lisboa.
Desde novo que despertou para o desenho, tendo colaborado ativamente em Fanzines, como o Graphic, que criou em 1978, e o Boletim (do Clube Português de BD), entre muitos outros, mas também em jornais, como A Capital, Correio da Manhã, e Diário Popular (suplemento "Tabloide"), através de curtas histórias em BD. Participou regularmente em exposições e concursos, que lhe valeram vários prémios, destacando-se a sua presença na Bienal de Barcelona (1987) com Vasco Colombo, em representação de Portugal.
Em 1989 realizou uma história em BD (de oito páginas) sobre Lisboa para o projeto Eurovisioni - Viaggio a Fumetti Tra le Cittá d'Europa (exposição e álbum) a convite da Câmara de Milão (Itália), sobre diferentes cidades europeias, onde participaram autores de renome: Milo Manara, Van den Boogaard, Buzelli, Dino Crepax, Mattotti, Serge Clerc e Mariscal.
Teve publicadas histórias em BD no desaparecido semanário Sete em finais dos anos 80 do século XX, onde a série Filipe Seems viu a luz do dia, a partir de janeiro de 1992, sob argumentos de Nuno Artur Silva. O protagonista é programador de argumentos para video-BD mas também detetive particular, que vive numa Lisboa utópica do século XXI. Esta série de ficção cheia de magia mostra-nos um herói da BD portuguesa considerado pela crítica e pelos leitores como uma verdadeira revelação, com uma Lisboa transformada em Veneza, com canais imaginários, no álbum inaugural Ana. Filipe define-se como um detetive particular a quem as provas não interessam, apenas as pistas, pois só estas fazem sonhar.
O álbum Ana recebeu o Troféu "Zé Pacóvio e Grilinho" Para o Melhor Álbum Português no Festival da Amadora, bem como dois Troféus "O Mosquito" para o Melhor Desenhador do Ano e para o Melhor Álbum de BD Portuguesa, atribuídos pelo Clube Português de Banda Desenhada, todos em 1993. No ano seguinte, A História do Tesouro Perdido recebeu também o Troféu "Zé Pacóvio e Grilinho" para o Melhor Álbum Português no Festival da Amadora.
Depois do grande sucesso obtido com estes títulos, a dupla de autores enveredou por múltiplos projetos diferentes e em separado, com Nuno Artur Silva a desenvolver com sucesso as Produções Fictícias.
António Jorge Gonçalves voltou a apresentar um livro em BD quatro anos depois, com A Arte Suprema (ASA, 1997), com argumento de Rui Zink, que foi considerada a primeira novela gráfica portuguesa. Com um grafismo arrojado, sob o ponto de vista pictórico e no estilo, apresenta-nos a história de D. Idalina, uma mulher a dias que se vê envolvida num caso mediático. Este livro foi distinguido com o Troféu "Zé Pacóvio e Grilinho" para o Melhor Álbum Português BD no Festival da Amadora 1997.
António Jorge Gonçalves foi um dos autores presentes na exposição "Perdidos no Oceano", que constituiu a representação de Portugal enquanto país convidado no 25.º Festival Internacional de Angoulême, em janeiro de 1998.
No ano seguinte, marcou presença na exposição e respetivo catálogo de Uma Revolução Desenhada: o 25 de Abril e a BD, juntamente com vários outros autores, realizando uma curta história.
O Senhor Abílio, corresponde à personagem criada para as páginas da revista Linhas Cruzadas da Portugal Telecom (em que assinou com o pseudónimo Pan Ton), tendo sido desenvolvida em Londres, durante os dois anos que o autor lá viveu. A edição em álbum saiu em 1999 (ASA).
Depois de um longo interregno, Filipe Seems regressou em 2003 num terceiro álbum, com um grafismo totalmente inovador relativamente aos anteriores, com A Tribo dos Sonhos Cruzados (ASA), de novo em coautoria com Nuno Artur Silva. Segundo os autores, este título encerra um ciclo, não estando descartada a hipótese de um dia regressarem novas aventuras deste invulgar detetive.
A sua obra gráfica regista dois importantes momentos de ligação ao metropolitano: em Lisboa, realizando a decoração dos painéis exteriores da estação da Alameda D. Afonso Henriques, que mereceu uma exposição e edição de postais pela Bedeteca de Lisboa, em 1997, e na Internet, concebendo o site www.subway-life.com, onde apresenta desenhos de pessoas que frequentam o metro de 10 cidades do Mundo (Lisboa, Atenas, Londres, Estocolmo, Berlim, Moscovo, São Paulo, Nova Iorque, Tóquio e Cairo).
A sua participação no suplemento "O Inimigo Público", do jornal Público, através de um Cartoon (caricatura) bastante corrosivo, bem enquadrado no espírito do suplemento criado pelas Produções Fictícias de Nuno Artur Silva e a ilustração da conhecida série juvenil O Bando dos Quatro (ASA), de João Aguiar, são outros dos seus trabalhos mais conhecidos.
A nível do teatro, foi o responsável pela conceção plástica (cenários e os figurinos) de O Que Diz Molero, adaptação de Nuno Artur Silva da peça de Dinis Machado, Duas Semanas com o Presidente, de Mary Morris, Conversa da Treta, com textos de José Fanha, O Último a Rir, de Luísa Costa Gomes, e ARTE, de Yasmin Reza.
Como referenciar: António Jorge Gonçalves in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-20 22:48:04]. Disponível na Internet: