araucária

Designação comum de plantas arbóreas, geralmente dioicas, da família das Araucariáceas e do género Araucaria.
Os exemplares do género Araucaria são árvores dioicas, que podem atingir a altura de 50 metros, com o fuste direito e bem definido e a copa cónica ou tronco-cónica, nos exemplares mais antigos, e com os ramos axilares com disposição espiralada, ao longo da copa.
As folhas são perenes, dispostas em espiral, densas, decorrentes, de formas ovada a acicular. Os cones masculinos, com disposição axilar ou terminal, são cilíndricos a elípticos, em geral, com mais de seis centímetros e com vários sacos polínicos por escama. Os cones femininos são globosos, constituídos por escamas finas e achatadas, com um óvulo por escama. Têm as escamas tectriz e sencinífera soldadas. Os cones frutíferos (pinhas), subglobosos a elípticos, são de maturação bienal, lenhosos ou semi-lenhosos, geralmente de tamanho superior a 15 centímetros de comprimento. Quando maduros desprendem-se dos ramos. As sementes, normalmente com duas asas laterais, permanecem incrustadas na escama da pinha. São grandes e comestíveis.
As espécies deste género são originárias da América do Sul. Tiveram uma grande dispersão geográfica no Triásico, mas atualmente só se encontram de forma natural na América do Sul, Austrália, Nova Caledónia, Novas Hébridas, Tasmânia e Nova Zelândia.
Entre as suas espécies são de destacar a Araucaria columnaris (araucária-colunar), da Nova Calcedónia, a Araucaria araucana (araucária-do-Chile), do Chile, a Araucaria angustifolia (araucária-do-Brasil, pinheiro-do-Paraná ou araucária-candelabro) e a Araucaria bidwillii (araucária-da-Queenslândia), da Austrália.
Como referenciar: Porto Editora – araucária na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-20 01:19:09]. Disponível em