As Palavras das Cantigas

Volume preparado ainda em vida por Ary dos Santos, mas publicado postumamente, em 1989, colige centenas de poemas escritos para canções, a maior parte das quais de grande sucesso, musicadas por compositores como Carlos Mendes e cantadas por intérpretes como Carlos do Carmo ou Simone de Oliveira. Abordando uma grande variedade de temas, as composições reunidas em As Palavras das Cantigas reatam com a tradição jogralesca da poesia portuguesa, oferecendo textos em que a indissociabilidade entre música e letra reabilita a figura do trovador, emocionado diante dos infortúnios, do amor ou do desconcerto do mundo. Para Natália Correia (cf. prefácio a As Palavras das Cantigas, Lisboa, 1989), as várias faces desse poeta inflamado compõem as múltiplas máscaras de um "desespero fulcral": "Qual então o verdadeiro Ary? [...] O do lord que foi de Escócias de outras eras revividas em damascos, pratas e cristais ou o que, nos seus poemas, rasga o peito para mostrar um coração que sangra pelos infortúnios do mundo? A resposta que prontamente me acode é: os dois e ainda mais o sensualão dos cheiros lisboetas, o pária com sobretudo de gola de astracã, o rei-bobo guizalhando chalaças para ter como súbditos todos os aplausos do mundo, o sentimentalão social que se desnuda para dar a roupa aos pobres, o eterno amante sem amor, enchendo esse vazio com risadas que sabem a sangue. E tudo isto fundido numa infância agigantada que tirita de solidão pedindo agasalho nos seus versos."
Como referenciar: As Palavras das Cantigas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-30 19:14:57]. Disponível na Internet: