AS Roma

O clube italiano de futebol Associazione Sportiva Roma foi fundado a 22 de julho de 1927 a partir da fusão de três equipas romanas, o Alba, o Fortitudo e o Roman. A ideia era fazer frente aos clubes do norte de Itália, nomeadamente de Turim e Génova.
O primeiro presidente da AS Roma foi Italo Foschi, mas seria Renato Sacerdoti, que tomou posse em 1928, a transformá-la num grande clube.
Em 1929 disputou o seu primeiro campeonato de Itália, no qual, treinada pelo inglês William Garbutt, se quedou pelo sexto posto.
Dois anos depois, a equipa lutou até ao fim pelo título, mas acabou batida pela Juventus.
A primeira conquista de um campeonato, já intitulado Série A, aconteceu em 1941/42 em plena Segunda Guerra Mundial. Na época, muitos jogadores trocaram o desporto pelo exército, pelo que os plantéis eram constituídos por elementos mais velhos, livres do serviço militar. Na AS Roma brilhou o goleador Amadeo Amadei, autor de 18 tentos. No entanto, a partir desta conquista a AS Roma entrou num período difícil que culminou com a descida à Série B em 1951. Pouco depois, acabou por regressar à divisão principal, mas só na década de 60 voltou a ter uma grande equipa. Logo na temporada de 1960/61 conquistou a Taça das Cidades com Feira, importante prova europeia de clubes, batendo na final o Birmingham, de Inglaterra. Foi a única conquista europeia da formação romana.
No final da década de 70 Dino Viola tornou-se presidente do clube e contratou para treinador o sueco Nils Liedholm, antiga estrela do AC Milão. Em 1980 passou a ser permitido a cada equipa italiana utilizar um jogador estrangeiro e a AS Roma optou pelo brasileiro Falcão. O médio brasileiro tornou-se numa das principais referências da história do clube que em 1982/83 voltou a ganhar a Série A. Ao lado de Falcão alinharam jogadores como Bruno Conti, Prohaska, Ancelotti e Vierchowood.
No ano seguinte, a AS Roma chegou à final da Taça dos Campeões Europeus, mas perdeu no desempate por grandes penalidades com o Liverpool, de Inglaterra. O jogo foi disputado no Estádio Olímpico de Roma. Na altura, já alinhava na equipa outro brasileiro de categoria internacional, Toninho Cerezo.
Mas a AS Roma entrou em novo período de crise, apesar de pelos seus plantéis terem passado nos anos seguintes futebolistas como Aldair, Thern, Caniggia e Giannini.
Só em 2000/2001, com uma frente de ataque constituída pelo goleador argentino Batistuta e pelo italiano Totti, a Roma reconquistou o título. O treinador era Fabio Capello.
Como referenciar: Porto Editora – AS Roma na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-11-28 21:44:09]. Disponível em