assimilação (gramática)

Fenómeno fonético em que um fonema transmite algumas das suas características sonoras a um fonema vizinho tornando-o igual ou com propriedades semelhantes a si próprio. Por outras palavras, trata-se de um fenómeno em que um som se aproxima de outro quanto ao seu modo ou ponto de articulação. A assimilação é uma designação mais ampla para sonorização (um fonema surdo torna-se sonoro em contacto com um fonema sonoro) e ensurdecimento (um fonema sonoro torna-se surdo por influência de um fonema surdo). Seguem-se alguns exemplos de assimilação presentes na evolução histórica do português:

vipera(m) > vibera > víbora (<e> é assimilado pela consoante bilabial [b] que o transforma numa vogal de articulação também bilabial [u])
comite(m) > com'te > conde (assimilação por sonorização da consoante [t] devido à transmissão de sonoridade pela vogal anterior; o resultado é a consoante [d], no mesmo ponto de articulação que [t] mas na sua variante sonora)

A assimilação designa-se por completa se o fonema vizinho se torna igual ao fonema que desencadeou a assimilação. Se o resultado não é idêntico a assimilação diz-se incompleta.

gratia > [gratSa] > gratsa > grasa (<graça>) (assimilação completa)

comite(m) > com'te > conde (assimilação incompleta)

pericu(l)u(m) > perigo (assimilação incompleta)

A assimilação pode ainda ser progressiva se o fonema assimilador se encontrar depois do fonema assimilado ou regressiva caso se encontre antes:

(assimilação progressiva completa)

(assimilação regressiva completa)
Como referenciar: assimilação (gramática) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 05:41:42]. Disponível na Internet: