Azymuth

Trio brasileiro, fundado no início da década de 70, no Brasil, integrou inicialmente o teclista José Roberto Bertrami, o baterista Ivan Conti e o baixista Alexandre Malheiros. Inicialmente batizados como Grupo Seleção e com um repertório feito de versões de músicas de outros artistas, mudaram o nome para Azymuth (inspirando-se num trecho da dupla Marcos e Paulo Valle, presente na banda sonora do filme O Fabuloso Fittipaldi) em 1973 para, dois anos mais tarde, se iniciarem nas lides discográficas, com um álbum homónimo. A mistura de jazz, samba, rock e funk conquistou diversas audiências, desde os pequenos clubes noturnos do Rio de Janeiro, ao mítico Canecão. Com o primeiro álbum chegou o primeiro sucesso, a canção "Linha do Horizonte", secundada, em 1976, por "Melô da Cuíca", ambas utilizadas em novelas da cadeia televisiva Rede Globo. Depois de outras participações em trilhas sonoras de filmes e novelas, os Azymuth tornar-se-iam o primeiro agrupamento brasileiro a atuar no prestigiado Festival de Montreux, na Suíça, em 1977. No ano seguinte, no seguimento de um convite de Flora Purim e do percussionista Airto Moreira, protagonizam uma extensa digressão nos Estados Unidos da América e gravam o primeiro disco internacional (Light as a Feather, 1978), dando início a um percurso além-fronteiras que se prolongaria por alguns anos. A composição "Jazz Carnival", gerada neste período, seria um marco na afirmação internacional dos Azymuth.

A década de 80 seria particularmente ativa para o trio, com diversas apresentações em público, um pouco por todo o mundo, e nove álbuns registados em estúdio. Entre essas inúmeras atuações, merecem destaque as presenças no Berkley Festival, no Monterrey Jazz Festival, no Pallais London e no Tijuana Jazz Festival, entre outros. Depois de uma breve fase de agitação interna, entre 1990 e 1991, com a substituição de Bertrami por Jota Moraes em dois álbuns e algumas atuações internacionais, o trio retoma a formação original em 1994 para a gravação, dois anos depois, do álbum Azymuth 21 Anos, em comemoração da efeméride das mais de duas décadas de atividade. A partir de 1995, e depois de assinarem contrato com a Far Out Records do Reino Unido, a linguagem eletrónica torna-se substância das composições dos Azymuth e seria elemento notório nas gravações seguintes do trio brasileiro. Mantendo uma agenda preenchida com muito tempo de palco, os Azymuth comemorariam os trinta anos de carreira com a edição do tomo Brazilian Soul (2005), contando com a participação de alguns amigos de sempre do trio: Roberto Menescal, Fabíola, Emílio Santiago, Sidinho e muitos outros.

Discografia 1975, Azymuth
1977, Águia Não Come Mosca
1978, Light as a Feather
1980, outubro
1982, Telecommunication
1982, Cascade
1983, Rapid Transit
1984, Flame
1986, Tightrope Walker
1988, Crazy Rhythm
1989, Carioca
1990, Tudo Bem
1991, Curumim
1996, 21 Anos
1997, Woodland Warrior
1997, Carnival
1999, Pieces of Ipanema
2000, Before We Forget
2002, Partido Novo
2005, Brazilian Soul
2006, Pure

Como referenciar: Azymuth in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 05:39:57]. Disponível na Internet: