B. F. Skinner

Psicólogo norte-americano, Burrhus Frederic Skinner, nascido em 1904, doutorou-se em Psicologia pela Universidade de Harvard, em 1931, tendo, desde cedo, no seu percurso académico e científico, abraçado uma perspetiva behaviorista.
Considerando-se um discípulo do fundador do behaviourismo, John Broadus Watson, e do cientista russo Pavlov, Skinner defende na sua primeira obra fundamental, The Behavior of Organisms(1938), os principais pontos definidores deste paradigma da Psicologia, acrescentando-lhe a sua própria contribuição. Assim, Skinner questiona parcialmente a teoria de Pavlov, que explicava o comportamento como sendo o resultado de um condicionamento de "primeiro tipo", de um estímulo mecânico. Skinner propõe, em alternativa, a hipótese de o comportamento se explicar pela ação de um condicionamento de "segundo tipo", ou seja: no processo de adaptação ao meio, o sujeito alcança uma satisfação que provoca a repetição desse comportamento. Foi para provar esta teoria que Skinner efetuou a famosa experiência batizada de "caixa de Skinner", em que ratos têm o seu comportamento condicionado por um conjunto de recompensas. O conceito de recompensa ("reward") desempenha, aliás, um papel fundamental na teoria behaviorista de Skinner e é um dos seus principais legados académicos.
Skinner foi um cientista e professor brilhante, constituindo-se como um dos mais importantes nomes da história do behaviourismo, influenciando fortemente o rumo desta área do conhecimento. Defensor acérrimo das pesquisas controladas sobre as respostas comportamentais dos animais aos estímulos do meio, como forma privilegiada de conhecer mais sobre o ser humano, Skinner alcançou reconhecimento público através de diversas experiências científicas pouco comuns, como por exemplo aquela em que pombas aprendiam a jogar ténis de mesa.
Mas a atividade de Skinner não se limitou à ciência, destacando-se igualmente pela sua produção literária, com realce para a obra Walden Two(1948), um romance acerca de uma sociedade utópica fundada em princípios de engenharia social, e para a sua autobiografia, publicada em três partes, Particulars of My Life (1976), The Shaping of a Behaviorist (1979) e A Matter of Consequences (1983).
Skinner desenvolveu o seu trabalho de investigador e docente principalmente na Universidade de Harvard, a partir de 1932, com passagens pela Universidade do Minnesota (1937-1945) e pela Universidade do Indiana, em Bloomington (1945-1948), tendo sido agraciado com o título de Professor de Mérito da Universidade de Harvard, em 1974. B. F. Skinner morreu em 1990, em Cambridge (Massachusetts).
Obras importantes de Skinner:
1953, Science and Human Behavior
1957, Verbal Behavior
1961, The Analysis of Behavior (com J.G. Holland)
1968, Technology of Teaching
1971, Beyond Freedom and Dignity
1989, Recent Issues in the Analysis of Behavior
Como referenciar: B. F. Skinner in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-12-03 08:20:33]. Disponível na Internet: