Baião

Aspetos Geográficos
O concelho de Baião, do distrito do Porto, localiza-se na Região do Norte (NUT II) e do Tâmega (NUT III) e situa-se no norte de Portugal, na margem norte do rio Douro. Fica enquadrado na serra do Marão, sendo o concelho mais interior do distrito. Confina com os concelhos de Marco de Canaveses a oeste, Amarante a norte, Mesão Frio e Peso da Régua a este, e Resende e Cinfães a sul, ambos do distrito de Viseu. Constitui uma área de transição entre as regiões transmontana e de Entre-Douro-e-Minho.
Dista cerca de 67 km para nascente da cidade do Porto.
O concelho assume um carácter rural, com paisagens de serrania, cortadas pelos leitos do rio Douro e dos seus afluentes, com destaque para os rios Teixeira e Ovil, pontuadas por férteis campos agrícolas.
Numa área de 174,3 km2 distribuem-se 20 freguesias: Ancede, Campelo, Covelas, Fende, Gestaçô, Gove, Grilo, Loivos do Monte, Loivos da Ribeira, Mesquinhata, Ovil, Ribadouro, Santa Cruz do Douro, Santa Leocádia, Santa Marinha do Zêzere, Teixeira, Teixeiró, Tresouras, Valadares e Viariz.
Em 2005, o concelho apresentava 21 724 habitantes.
O natural ou habitante de Baião denomina-se baianense.
História e Monumentos
O povoamento do território do concelho remonta à pré-história. Existem referências a Baião do século XI. Obteve foral em 1513 concedido por D. Manuel I.
Os seus principais monumentos são o Castro do Cruito, o Pelourinho da Teixeira, o Convento de Ancede e a Casa de Tormes.
Tradições, Lendas e Curiosidades
A 23 e 24 de agosto têm lugar as Festas Concelhias de S. Bartolomeu. Nos dias 8 e 23 realizam-se feiras quinzenais em Baião; dia 23, em Campelo; dias 5 e 19, em Gestaçô; e dias 2 e 18, em Gove.
Este concelho terá servido de inspiração ao escritor Eça de Queirós, que aqui viveu, tendo habitado no Solar de Tormes.
O folclore de Baião encontra-se patente nos ranchos folclóricos. Estes usam instrumentos variados, como a viola de chula, o cavaquinho e a rabeca, entre outros. Nas danças tradicionais evidenciam-se a chula de Baião, o malhão, a contra dança e a cana verde.
Da tradição do concelho fazem também parte os carros de bois, puxados por uma junta de bois.
As vindimas realizam-se por volta do mês de setembro. Carregam-se cestos com uvas, que depois são levados às costas por homens. São cada vez mais raros os lagares onde antigamente se fazia a pisa das uvas.
A tecelagem, os trabalhos em cantaria, a cerâmica, a funilaria, a ferraria, a cestaria com os cestos de piorna, as bengalas, as mantas de retalhos e os chapéus de palha compõem as principais atividades e os principais produtos do artesanato do concelho.
Economia
O setor primário domina a economia do concelho, sendo a agricultura a principal atividade nas várias freguesias. Nos solos férteis produzem-se cereais, produtos hortícolas, frutas e vinhos. A pecuária e a exploração florestal encontram-se também presentes e, juntamente com alguns serviços, o pequeno comércio, a pequena indústria, nomeadamente de confeções, e a construção civil completam o quadro económico do concelho de Baião.
Como referenciar: Baião in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-05-11 08:40:43]. Disponível na Internet: