Bailatas

Coletânea de poesias, publicada em 1907, sob o pseudónimo de Inácio de Abreu e Lima, nome com que António Feijó também assina o prefácio irónico. A intenção do autor parece ter sido a de parodiar a estética decadentista ("Teus dedos alvos, que prazer comê-los,/ Como cinco pastéis de Santa-Clara!", de "Sidéria"; "En attendant, teus seios de mim perto,/ São fontes de hidromel, fontes eternas,/ Como para os camelos do deserto/ Os frescos bebedoiros das cisternas", de "Olímpica"; "E ela pôs-se a pensar, a pensar e a chorar.../ O tempo é tão moroso, anda tão devagar!/ E eu emprestei-lhe um lenço de assoar,/ Um lenço fino de cambraia,/ Para os olhos limpar...", de "Verónica"), mas a verdade é que muitos destes versos de amor, "versos desiludidos,/ Em que a Dor com sorrisos se traduz", estão em consonância com a própria sensibilidade simbolista.
Como referenciar: Bailatas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-20 03:54:01]. Disponível na Internet: