Basílica de S. Marcos

A basílica de São Marcos situa-se junto ao Palácio dos Doges, em Veneza. Considerada a obra-prima da arte bizantina fora do império do Oriente, constitui a síntese da história artística e política daquela cidade e o testemunho do apogeu de Bizâncio, tendo-se tornado num importante centro de peregrinação. Foi consagrada a São Marcos no século XI. As suas relíquias tinham sido levadas de Alexandria para a ilha de Rialto em 828. A basílica concluiu-se em 1096, mas o trabalho de decoração não terminou. Por isso, além do carácter bizantino do edifício, apresenta também influências românicas, góticas e renascentistas.
A planta de cruz grega com três ábsides e uma nave de pequenas capelas segue o modelo bizantino. A cobertura é feita através de cinco cúpulas sobre o cruzeiro e cada um dos braços. A luz é dirigida para o centro da estrutura.
É notável pela qualidade do mosaico que apresenta: na porta de San Allipo observam-se mosaicos de 1265; na cúpula do átrio veem-se mosaicos do século XIII com cenas do Antigo Testamento; interiormente, os mosaicos da cúpula do cruzeiro foram realizados em fins do século XII ilustrando a Assunção da Virgem.
Durante os séculos XII e XIII a basílica sofreu obras de embelezamento: as antigas cúpulas foram substituídas por cúpulas sobrelevadas; na fachada alargou-se o portal central; enriqueceu-se o conjunto com colunas, relevos e mosaicos. No século XIII foram colocados sobre a loggia do nártex os quatro cavalos de bronze dourado provenientes do saque de Constantinopla.
Ficou com o aspeto atual no início do século XIV com o coroamento gótico de flechas nas edículas.
Como referenciar: Basílica de S. Marcos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-30 04:46:26]. Disponível na Internet: