bioluminescência

Algumas bactérias e fungos, bem como muitos invertebrados e alguns peixes, têm a propriedade de emitir luz. Este fenómeno é conhecido desde a Antiguidade e denomina-se bioluminiscência. Até agora, com exceção de algumas bactérias, este fenómeno não se verifica em organismos de água doce.
A luz emitida pelos organismos bioluminescentes produz-se no decorrer de reações de oxidação de moléculas específicas denominadas lucíferas (portadoras de luz). O fenómeno é catalizado por uma enzima, a luciférase, que é destruida pelo calor (termolábil). Embora se conheçam exemplos em que a luz emitida é verde, amarela ou vermelha, a mais frequente é a que ocorre nas frequências de onda situadas na zona azul.
Ao fim de numerosas observações, foram determinadas as funções da luminiscência. A situação mais frequente é a sua utilização para atração sexual. Cada espécie tem um código de identificação baseado no comprimento de onda emitido e no intervalo de tempo decorrido entre a cintilação produzida pelo macho e pela fêmea. Alguns peixes que vivem em zonas marinhas profundas (fossas abissais) utilizam a luminescência para atrair as presas até às suas mandíbulas. Podem assim alimentar-se mais facilmente.
Como referenciar: bioluminescência in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-08 18:49:36]. Disponível na Internet: