Bizâncio

Revista coimbrã, que publicou, entre 1923 e 1924, seis números, onde colaboraram João de Almeida, Luís Veiga, Fausto dos Santos, António de Sousa, Vitorino Nemésio e José Régio. Inclui criação literária em poesia, prosa e teatro, e crítica literária. Em "Do sentido de "Bysancio", artigo inaugural da revista, Alexandre d'Aragão justifica o título da publicação, reconhecendo na arte bizantina "uma das fases mais perfeitas da Arte", pela conjugação de "decorações dispersas em harmonias unitárias", pelo seu sentido de "ritual litúrgico", por se situar num momento de "transição dum mundo para outro mundo", por constituir um "umbral [do] Oriente", envolta numa "névoa dourada de evocações e de encoberto, que nós todos sentimos prometida e ausente". Anuncia, assim, uma estética vocacionada para o exotismo e para a evasão, acolhendo, embora nas suas páginas tendências literárias diversas, desde o misticismo poético de um António de Sousa, a composições inspiradas na poesia tradicional portuguesa, até às primeiras manifestações dos dramas do sujeito poético em José Régio.
Como referenciar: Bizâncio in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-25 02:48:38]. Disponível na Internet: