Blake Edwards

Realizador norte-americano, William Blake McEdwards nasceu a 26 de julho de 1922, em Tulsa, e faleceu a 15 de dezembro de 2010. Neto de um realizador do cinema mudo e filho de um produtor, cedo o jovem Blake entrou em contacto com o mundo da Sétima Arte, como figurante. O seu primeiro papel com direito a falas foi Ten Gentlemen From West Point (1942). Depois duma série de prestações menores, decidiu escrever, coproduzir e protagonizar o western de série B Panhandle (1948). Dedicou-se, em seguida, à carreira de argumentista, escrevendo para programas de rádio, séries de televisão e filmes musicais. Foi, aliás, com um musical que se estreou como realizador: Bring Your Smile Along (1955). Depois de uma série de telefilmes, foi convidado por Cary Grant para dirigir a comédia Operation Petticoat (1959), cujo sucesso lhe abriu novos horizontes. Repetiu o sucesso com Breakfast at Tiffany's (Boneca de Luxo, 1961), uma adaptação do romance de Truman Capote que proporcionou uma fabulosa interpretação a Audrey Hepburn. Abordou a temática do alcoolismo em Days of Wine and Roses (Escravos do Vício, 1962) e o seu excelente trabalho com os atores possibilitou aos protagonistas Jack Lemmon e Lee Remick as nomeações para o Óscar. Mas era na comédia burlesca que Edwards se sentia à vontade. Criou o inesquecível e inepto Inspetor Clouseau, interpretado por Peter Sellers em The Pink Panther (A Pantera Cor-de-Rosa, 1963). O estrondoso sucesso deste título levou a que dirigisse mais cinco continuações durante as décadas de 70 e 80, todas elas protagonizadas por Sellers. Ainda realizou comédias como The Great Race (A Grande Corrida à Volta do Mundo, 1965), What Did You Do in the War, Daddy? (1966) e The Party (A Festa, 1968), antes de contrair matrimónio com a cantora e atriz Julie Andrews. O seu primeiro filme juntos foi Darling Lili (1970), uma história de amor passada durante a Primeira Guerra Mundial, mas cujos números musicais exóticos não foram do agrado da crítica e do público, tornando o filme um fracasso comercial. Mal sucedido na bilheteira foi também o filme seguinte, o western Wild Rovers (Vagabundos Selvagens, 1971), cujas cenas de violência gratuitas foram condenadas pela opinião pública americana. Vítima de um esgotamento nervoso, instalou-se durante dois anos na Suíça. Regressou em força com a colaboração de Peter Sellers, dirigindo-o novamente em The Return of the Pink Panther (O Regresso da Pantera Cor-de-Rosa, 1975). O sucesso deste título levou-o a assinar nova série de comédias protagonizadas pela sua mulher: Ten (Uma Mulher de Sonho, 1979), que guindou ao estrelato o cómico Dudley Moore, SOB (Tudo Boa Gente, 1981) e Victor/Victoria (1982), uma comédia musical considerada unanimemente pelos críticos como o melhor filme de Edwards e cujo enredo gira em torno de uma cantora soprano (Julie Andrews) que decide assumir uma identidade masculina para se tornar uma grande estrela dos cabarets parisienses. Foi o auge da carreira de Edwards. A partir daí, assinou fracassos de bilheteira como Mickey and Maude (1984), That's Life (A Vida É Assim, 1986) e Skin Deep (O Amor é uma Grande Aventura, 1989). O seu último filme foi Son of the Pink Panther (O Filho da Pantera Cor-de-Rosa, 1993) onde colocou, de forma desastrosa, Roberto Benigni a seguir as pisadas de Peter Sellers, falecido em 1980. Em 2004, como corolário da sua carreira, a Academia de Hollywood distinguiu-o com um Óscar Honorário.
Como referenciar: Blake Edwards in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 20:50:19]. Disponível na Internet: