Blur

Considerados entre os líderes da pop britânica da década de 90, os Blur, grupo pop-rock inglês, nasceram da melhor tradição de guitarras pop de grupos como os Kinks, Small Faces, Who, Jam, Madness e Smiths.
Originalmente denominado Seymour, o grupo foi formado em 1989 pelo vocalista e teclista Damon Albarn (n. 23-03-68, Londres, Inglaterra), o guitarrista Graham Coxon (n. 12-03-69, Hanôver, Alemanha) e o baixista Alex James (n. 21-11-68, Bournemouth, Inglaterra), aos quais se juntou pouco tempo depois o baterista Dave Rowntree (n. 08-05-64, Colchester, Inglaterra).
Os dois primeiros singles "She's So High" (1990) e "There's No Other Way" (1991), constituíram sucesso razoável, e fizeram parte do álbum de estreia, Leisure (1991). Precedido do single "Popscene" (1992), seguiu-se o álbum Modern Life Is Rubbish (1993), que incluiu temas como "Chemical World" e "For Tomorrow". Diversas peripécias estiveram por detrás da edição deste disco, desde rejeições das editoras, mudanças de produtor, composição de novos temas, até ao produto final.
Seria no entanto com Parklife (1994) que o grupo tomaria de assalto o topo da música britânica, com entrada direta para o primeiro lugar das tabelas de vendas. Fizeram parte deste trabalho os êxitos "Girls And Boys", "End Of Days", "Parklife" e "To The End". O álbum proporcionou-lhes quatro Brit Awards em 1995. Com o sucesso de Parklife (tripla platina em 1995), os Blur abriram as portas a um conjunto de grupos que dominariam a cultura pop britânica na segunda metade dos anos 90, tais como os Oasis, os Pulp ou os Supergrass.
O álbum seguinte, The Great Escape (1995), embora tenha tido um sucesso semelhante a Parlkife, não impediu que os Blur perdessem o estatuto de ícones da pop britânica para os Oasis, graças ao sucesso do segundo álbum destes (What's The Story) Morning Glory". Antecedido pelo single "Country House", um dos clássicos do grupo, este trabalho incluiu ainda os êxitos "Stereotypes", "The Universal" e "Charmless Man".

A banda esteve perto do fim em 1996 mas, ao invés disso, optou por um retiro de um ano. Nessa fase, Albarn manifestou o seu interesse pela música indie, a alternativa oriunda dos EUA e o registo seguinte da banda parece manifestar algumas influências desse som, afastando-se dos padrões da pop que foram celebrados pelos Blur. Assim, o álbum Blur (1997) surgiu com uma boa aceitação dos críticos, disparou para os primeiros lugares dos tops mas desapareceu muito rapidamente das tabelas de vendas, sobrevivendo apenas os singles "Beetlebum" e "Song2". Todavia, o álbum teria mais sucesso no mercado americano e mais tarde conseguiria também algum estatuto nos tops britânicos. Seguiu-se o álbum13 (1999), que incluía os singles "Tender", "Coffee & TV" e "No Distance Left To Run", conhecendo um êxito relativo.
O regresso da banda inglesa só aconteceu em 2003, com o álbum Think Tank, onde mais uma vez se libertam dos formatos pop e fazem incursões ambiciosas por sonoridades mais alternativas. Este longa-duração teve apreciações muito positivas da crítica e marcou uma nova etapa no som dos Blur, a caminho de outros públicos e de outra maturidade musical.
Como referenciar: Blur in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-17 15:52:29]. Disponível na Internet: