Braga


Aspetos geográficos
Cidade do Minho, capital de distrito e sede de concelho. Localiza-se na Região Norte (NUT II) e no Cávado (NUT III). Elevada à categoria de cidade há mais de dois mil anos, Braga constitui um importante centro comercial, industrial, universitário e turístico.

O concelho de Braga abrange uma área de 183,4 km2 e está dividido em 62 freguesias: Adaúfe, Arcos, Arentim, Aveleda, Braga - Cividade, Braga - Maximinos, Braga - São João do Souto, Braga - São José de São Lázaro, Braga - São Vicente, Braga - São Vítor, Braga - Sé, Cabreiros, Celeirós, Crespos, Cunha, Dume, Escudeiros, Espinho, Esporões, Este - São Mamede, Este - São Pedro, Ferreiros, Figueiredo, Fradelos, Fraião, Frossos, Gondizalves, Gualtar, Guisande, Lamaçães, Lamas, Lomar, Merelim - São Paio, Merelim - São Pedro, Mire de Tibães, Morreira, Navarra, Nogueira, Nogueiró, Oliveira - São Pedro, Padim da Graça, Palmeira, Panóias, Parada de Tibães, Passos - São Julião, Pedralva, Penso - Santo Estêvão, Penso - São Vicente, Pousada, Priscos, Real, Ruílhe, Santa Lucrécia de Alegriz, Semelhe, Sequeira, Sobreposta, Tadim, Tebosa, Tenões, Trandeiras, Vilaça e Vimieiro.

Em 2011, o município contava com 181 494 habitantes. O natural ou habitante de Braga denomina-se bracarense, brácaro, bragano ou braguês.

O distrito de Braga ocupa a parte sul da região minhota. Está limitado pelo distrito de Viana do Castelo, a norte; pela Espanha, a nordeste; pelo distrito de Vila Real, a leste; pelo distrito do Porto, a sul; e pelo oceano Atlântico, a oeste. Abrange uma área de 2693 km2 e é composto por 14 concelhos: Amares, Barcelos, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Nova de Famalicão, Vila Verde e Vizela.

O relevo do distrito de Braga caracteriza-se pela presença de importantes maciços montanhosos no interior, com destaque para as serras do Gerês (1507 m) e da Cabreira (1280 m), recortados por vales profundos que se vão alargando em direção à estreita planície litoral. Os principais rios do distrito são o Cávado e o Ave.

História e Monumentos

No distrito, destacam-se dois concelhos - Braga e Guimarães - pela sua riqueza histórica.

O primeiro nome de Braga foi Bracara. Os Romanos chamaram-lhe Bracara Augusta, depois de a conquistarem aos Celtas, cerca de 250 anos a. C., tendo-a mantido em seu poder durante mais de seis séculos. Em 216, passou a capital da província romana de Galécia, e foi depois capital do reino suevo, nos séculos V e VI.

Entre os muitos monumentos da cidade destaca-se a Sé, de três naves, que é um dos maiores templos portugueses. Nela jazem o conde D. Henrique e a rainha D. Teresa, sua esposa, sob cujas ordens terminaram as obras de reedificação da catedral. A capela-mor, obra do arcebispo D. Diogo de Sousa, foi feita pelos biscainhos, muitos dos quais se radicaram na cidade, dando origem à Rua dos Biscainhos, ainda hoje existente. Na Sé, jaz também o infante D. Afonso, filho primogénito de D. João I, num túmulo de bronze.

Outras igrejas de destaque são a de Santa Cruz, a de S. Marcos (anexa ao hospital com o mesmo nome), a do Pópulo (fundada por Frei Agostinho de Jesus), a do Carmo e a ermida de Nossa Senhora de Guadalupe. De salientar, ainda, as igrejas de Santiago da Cividade, da Misericórdia, dos Congregados, de S. Vítor, de S. Vicente, de Nossa Senhora da Penha, de S. Sebastião e de Santa Maria Madalena (na Falperra), as capelas do Salvador e os altares de Tibães.

Sobre a encosta do Monte de Santa Cruz - hoje conhecido pelo nome de Monte do Bom Jesus - está construído o magnífico Santuário do Bom Jesus do Monte, em granito escuro, como a maioria das construções da região minhota. Com o seu cortejo de capelas, constituiu o primeiro santuário de Portugal e foi obra de D. Martinho da Costa.

O Santuário de Nossa Senhora do Sameiro, sumptuoso monumento à Virgem, foi construído por iniciativa do Padre Martinho Pereira da Silva, tendo a primeira pedra sido lançada a 14 de junho de 1863 e o templo sido inaugurado a 29 de agosto de 1880. A imagem de Nossa Senhora é obra de Emídio Carlos Amatucci.

Em Guimarães, encontram-se inúmeros monumentos, grande parte deles conhecidos pela sua relação com a fundação da nacionalidade. De salientar, o Castelo de Guimarães, com a sua torre de menagem; a Capela de S. Miguel do Castelo, românica, do século XII; o Monumento ao Fundador; o Paço dos Duques de Bragança; a Capela da Santa Cruz; a Igreja e os oratórios dos Santos Passos de Nossa Senhora da Consolação; a Igreja da Colegiada de Guimarães/Igreja de Nossa Senhora de Oliveira; a Igreja do Carmo; a Igreja de São Francisco; o Cruzeiro de São Francisco; o edifício dos antigos Paços do Concelho, do século XIV; o Convento de Santa Clara, do século XVII, e as casas de Egas Moniz e Martins Sarmento.

Edifícios de interesse são também aqueles onde se encontram instaladas a Câmara Municipal, o Governo Civil e a Biblioteca Pública, bem como o Palácio dos Biscainhos, onde funciona um museu, o Palacete do Raio, entre outros.

Tradições, Lendas e Curiosidades

O feriado municipal da sede de distrito é a 24 de junho.

No mês de abril têm lugar, no concelho de Braga, as Festas da Semana Santa. Enfeita-se a cidade, montam-se altares de rua e organizam-se procissões. Braga é conhecida como a "cidade dos arcebispos", estando normalmente associada a uma atmosfera de grande religiosidade, reforçada pela existência de inúmeros locais de culto e pela realização de peregrinações ao Santuário do Sameiro. São ainda de destacar a procissão do Corpo de Deus e o arraial de S. João, em que pessoas enchem completamente a Avenida da Liberdade e o parque da ponte.

Outras festas concelhias do distrito de Braga são: as Festas do concelho de Guimarães - Senhor do Amparo, em maio; Corpo de Deus, Nossa Senhora da Assunção e S. Torcato, em julho; as Festas Gualterianas, no mês de agosto; as Festa das Cruzes, em Barcelos, no dia 3 de maio, sendo a sua principal atração a Feira Grande; as Festas de Santo António de Amares e Vila Verde, em junho; as Festas Concelhias (Santiago), em Amares e a de Santa Marta da Falperra, no mês de julho; em agosto, o destaque vai para a romaria da Senhora da Abadia, em Amares; a romaria de S. Bento da Porta Aberta e as Festas Concelhias em Terras de Bouro. Em S. Bartolomeu do Mar realiza-se no mês de agosto uma conhecida romaria, que tem a particularidade de no último dia se realizar um Banho Santo, um banho de mar que serve para livrar as crianças de vários males, como a gaguez e o mau olhado.

No mês de outubro, realiza-se a feira da ladra, em Vieira do Minho, que conta com uma corrida de burros. Uma das feiras mais conhecidas do distrito, famosa pela sua dimensão e pelo artesanato que expõe, é a antiga feira de Barcelos, que tem lugar todas as quintas-feiras.

Uma das mais conhecidas criações iconográficas do distrito é a lenda do galo de Barcelos, que deu origem ao famoso galo de barro. É tradição em Guimarães todos os anos se colocar uma coroa de flores na Colina Sagrada, em homenagem ao rei D. Afonso Henriques.

O artesanato assume um papel de relevo na tradição do distrito e também na sua economia. Imitam-se peças antigas em ferro forjado, latoaria, cerâmica, olaria (com destaque para a produção do concelho de Barcelos) e cantaria. Fazem-se trabalhos de cestaria em vime, sacos em palha, artigos de madeira e arame, jugos, alfaias agrícolas, crocas, artigos de tanoaria, crivos, peneiras, queijeiras, artigos de tamancaria, artigos de mobiliário, filigranas e peças de ourivesaria, violas e outros instrumentos musicais, "velas de promessa" e de decoração (cujo expoente máximo é a "vela de Braga"), rendas e bordados, artigos de tecelagem em linho (lenços dos namorados), carpetes e sacas de pão bordadas, mantas regionais, mantas de burel, redes de pesca, artigos de chapelaria, louça pintada à mão, talhas, arranjos com flores secas, bonecas com trajes regionais e artigos de pirotecnia.

A indústria de paramentaria e os trabalhos de arte sacra constituem importantes produções artesanais do concelho de Braga.

Economia

Os solos essencialmente graníticos são abundantemente irrigados, contribuindo para a fertilidade da região e para a exuberância da vegetação. Produzem-se milho, batata, frutas e produtos hortícolas de primeira qualidade. No entanto, a sua principal produção agrícola são os afamados vinhos verdes, únicos no mundo, cuja exportação é importante. Associada à agricultura encontra-se a pecuária, com especial relevância para a criação de gado bovino.

A economia do distrito depende essencialmente da indústria. O distrito de Braga constitui uma das áreas industriais mais importantes do país, sendo responsável por uma percentagem significativa das exportações nacionais. Os concelhos de Braga, Vila Nova de Famalicão e Guimarães são os que apresentam uma maior implantação industrial. São de destacar as indústrias têxtil, metalúrgica, de cutelaria, de curtumes, de material elétrico, de pneus, de calçado, de refrigerantes, de alimentação, de mobiliário e de transformação de madeiras. Existem águas minero-medicinais em Caldelas, no Gerês e em Vizela. As zonas turísticas mais exploradas situam-se no Bom Jesus, no Gerês, na Penha e no Sameiro. As principais praias do distrito localizam-se em Esposende e Fão.

Possui uma universidade, que se distribui pelo eixo Braga/Guimarães e que atrai estudantes de todas as regiões do País, o que, juntamente com o crescimento do turismo, contribui para o desenvolvimento do comércio e dos serviços, fundamentais para a economia do distrito.
Como referenciar: Braga in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-23 16:34:14]. Disponível na Internet: