Bruges

Cidade do Nordeste da Bélgica, capital da província da Flandres Ocidental, localizada próximo do porto de Ostende. Possui uma população de 117  500 habitantes (2004).
A cidade medieval era fortificada, pois fora protegida, no século IX, por ordem dos condes da Flandres. Nesse tempo, Bruges estava ligada ao mar pelo rio Zwyn, e durante os quatro séculos seguintes a importância do seu porto não parou de crescer. Bruges desenvolveu-se nos séculos XIII e XIV como centro de comércio da lã. Por volta de 1340, Bruges tornou-se um membro da Liga Hanseática, numa época em que era um dos mais proeminentes centros têxteis do mundo.
A partir do século XV entrou em declínio quando os canais que a ligavam ao mar do Norte ficaram assoreados, o que arrastou consigo a decadência das indústrias têxteis, dependentes do sistema de moinhos hidráulicos, e o colapso das guildas. Esta cidade nunca mais recuperou o seu protagonismo como centro comercial e centro produtor. Como aspeto ilustrativo deste processo, refira-se a transferência dos interesses comerciais portugueses e espanhóis para Antuérpia ainda no final daquele século. Esta decadência era evidente nos finais da centúria de quinhentos, uma altura em que a cidade era conhecida como Bruges-la-Morte, isto é, a Bruges Morta.
No período compreendido entre a Revolução Francesa e as Guerras Napoleónicas (1795-1814), Bruges era governada pelos Franceses. Após 1814, a posse desta cidade transitou para a Holanda até 1831, data em que a Bélgica se tornou independente. Um canal aberto em 1903, que liga a cidade ao porto de Zeebrugge, levou à recuperação económica de Bruges. Nas duas grandes guerras, Bruges não escapou ao domínio germânico.
A indústria que goza de maior reputação a nível internacional é a indústria de renda fina, um produto em grande medida responsável pelo seu reconhecimento no exterior. Outras indústrias com algum destaque são as indústrias têxteis e químicas, bem como os estaleiros navais.
Bruges conheceu a sua maior prosperidade com os duques de Borgonha (sécs. XIV e XV) e conserva monumentos célebres de várias épocas: o Mercado (séc. XIII), a Basílica de Saint-Sang, o Hospital Saint-Jean (séc. XII), a Catedral de São Salvador (sécs. XIII e XIV), a Capela do Preciosíssimo Sangue (séc. XII), a Igreja de Notre -Dame (séc. XII) - com a sua torre de 122 metros - e o Hôtel de Ville (Câmara), cuja construção foi iniciada em trezentos. Além destes edifícios históricos, a cidade tem para oferecer aos seus visitantes preciosas obras de arte, como a Virgem e o Menino, em mármore, autoria atribuída a Michelangelo Buonarroti, e os quadros dos mestres Hans Memling e Jan van Eyck. São também célebres os carrilhões de Bruges, localizados por toda a cidade antiga. O Museu Groeninge, o Museu Gruuthuse e o Museu Memling são outras referências culturais da cidade, que recebe numerosos turistas. Tem cerca de cinquenta pontes sobre os seus canais.
No ano 2000, a UNESCO incluiu o centro histórico de Bruges na lista de Património da Humanidade e em 2002 esta cidade foi, juntamente com Salamanca, designada Capital Europeia da Cultura.
Como referenciar: Bruges in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-13 10:24:48]. Disponível na Internet: