Caetano Beirão

Escritor, jornalista e historiador, Caetano Maria de Abreu Beirão nasceu a 5 de novembro de 1892, em Lisboa.
Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e, em 1915, notabilizou-se como escritor e jornalista. A primeira das várias obras que publicou foi Sonetos, em 1918.
Caetano Beirão era um defensor do regime político sustentado na monarquia. Monárquico integralista, fez parte do movimento chamado Integralismo Lusitano desde os seus primeiros tempos. Foi ainda diretor da Juventude Monárquica de Lisboa e um dos fundadores da Junta Diretiva da Ação Realista Portuguesa, além de ter desempenhado vários outros cargos na causa monárquica, o que lhe valeu a prisão por motivos políticos. Enquanto jornalista colaborou com diversos jornais políticos como A Nação, A Monarquia, A Ação Realista, bem como em periódicos de Lisboa e da província (Diário de Notícias, A Voz, A Época e Lourenço Marques Guardian). Escreveu, ainda, para as revistas Integralismo Lusitano e Nação Portuguesa, entre outras.
Em 1934 foi-lhe atribuído o prémio Alexandre Herculano, do secretariado de Propaganda Nacional, pela sua obra D. Maria I, Subsídios Para a Revisão da História do Seu Reinado. A atividade de historiador foi, aliás, outra das facetas que lhe foram reconhecidas, por estar presente em grande parte da sua vida. Neste âmbito, publicou também obras como Elogio Histórico do Dr. Adriano Xavier Cordeiro (1920), Quem São os Responsáveis Pela Desorganização da Causa Monárquica (1931), O Problema da Sucessão do Rei D.João VI (1932) ou Cartas da Rainha D. Mariana-Vitória (1936).
Aos microfones da Emissora Nacional realizou inúmeras conferências, assim como na Associação dos Advogados de Lisboa e no Centro de Estudantes Monárquicos de Lisboa.
Caetano Beirão morreu em 1968.
Como referenciar: Caetano Beirão in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-17 04:31:12]. Disponível na Internet: