Camacho Costa

Ator português nascido em Odemira em 1946, de seu nome completo José Camacho Costa. Começou por ser crítico de cinema para jornais como o Diário de Lisboa e o Expresso. O seu estilo acutilante não passou despercebido a Artur Semedo que o recomendou a Francisco Nicholson. Estreou-se, assim, em 1974, no Teatro Adoque com a revista Mil Novecentos e Vinte e Seis, Noves Fora Nada, protagonizada por Henrique Viana. Tornou-se um dos atores secundários mais requisitados do teatro humorístico nacional, tendo trabalhado ao lado de Raul Solnado, José Viana, Eugénio Salvador e Nicolau Breyner. Chegou também ao cinema pelas mãos de Eduardo Geada com Sofia e a Educação Sexual (1974), mas foi Lauro António quem lhe atribuiu o primeiro papel de destaque com a personagem de Padre Pita em Manhã Submersa (1980). Seguiram-se, entre outros, O Barão de Altamira (1986), de Artur Semedo, e O Testamento do Senhor Nepomuceno (1997), de Francisco Manso. Mas a sua popularidade deveu-se sobretudo à televisão, especialmente com a série humorística Os Malucos do Riso (1995-2004), onde desempenhou diversas personagens. Trabalhou em telenovelas como Cinzas (1993), Roseira Brava (1995) e Xica da Silva (1996), em séries como O Café do Surdo (1993), para além de ter apresentado brevemente o programa diário Às Duas Por Três (2001). Em 2002, gerou uma enorme onda de solidariedade quando numa entrevista a uma revista revelou padecer de cancro do pulmão. Sujeitou-se a um tratamento de quimioterapia e ainda protagonizou a sitcom Não Há Pai (2002), mas a 28 de fevereiro de 2003 perdeu a batalha contra a doença.
Como referenciar: Camacho Costa in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-18 03:47:45]. Disponível na Internet: