Canal da Mancha

Extensão do oceano Atlântico que separa a Inglaterra da França, ocupando uma área de 75 000 km2. A largura e a profundidade do canal da Mancha diminuem de oeste para leste: de 180 quilómetros na extremidade oeste, a largura diminui para 34 quilómetros no estreito oriental de Dover; na mesma razão, a profundidade decresce de 120 para 40 metros.
Formado há 40 milhões de anos, o canal da Mancha tem sido alvo dos mais variados e profundos estudos científicos (sobretudo quanto à ação das marés), facto a que não está alheia a importância histórica desta faixa marítima, constituindo quer uma barreira contra invasões estrangeiras, quer um ponto de contacto imprescindível com o continente europeu, característica aprofundada com a construção do Eurotúnel. Aliás, a ideia de concretizar esta obra remonta ao ano de 1802, quando foi apresentada por um engenheiro francês ao imperador Napoleão, mas a incerteza quanto a possíveis conflitos entre os dois países fez Napoleão pôr de parte esse projeto.
Anteriormente rico para a atividade piscatória, o canal da Mancha é, hoje em dia, predominantemente utilizado pelos grandes cargueiros e petroleiros, para além de, quer a França, quer a Inglaterra, usarem as suas águas nos sistemas de refrigeração das centrais nucleares, atividades estas que contribuíram para a redução dos recursos piscatórios, pelos níveis de poluição que lhes estão subjacentes.
Como referenciar: Canal da Mancha in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 21:00:39]. Disponível na Internet: