Artigos de apoio

canivete suíço

O canivete suíço foi criado nos finais do século XIX por Karl Elsener, um mestre cutileiro suíço.
Após um período de formação em Tuttlingen, em 1884, Karl Elsener fundou uma oficina própria em Ibach Schwys, na Suíça central, dedicando-se ao desenvolvimento de canivetes, procurando conquistar o vasto mercado constituído pelo exército suíço, que até então comprava os seus canivetes na Alemanha. Elsener consegue a sua primeira encomenda de canivetes para o exército em 1891, ano que marca o início da história de um dos objetos de design industrial que se tornará num dos principais ícones da sociedade capitalista do século XX.
Em 1909, a empresa assume a designação de "Victoria", o nome da mãe de Elsener, e, a partir de 1921, adota o nome de marca "Victorinox" (que reconhece a importância do novo e principal material de produção da fábrica, o aço inox) que se tornaria definitivo. Desde as primeiras produções que os canivetes Victorinox se caracterizam pela sua multifuncionalidade e pela capacidade de agregarem vários instrumentos e ferramentas numa síntese formal extremamente prática e ligeira.
O canivete original, destinado aos soldados, continha, para além da habitual lâmina, um abre-latas, uma chave de fendas e uma agulha. Para os oficiais, Elsener criou um canivete mais leve que, para além das funções do anterior, estava munido de um saca-rolhas e de uma segunda lâmina mais pequena. Este produto, registado em 1897, tornou-se um protótipo e foi, pela qualidade funcional e construtiva, o responsável pelo sucesso comercial da empresa e pela sua rápida internacionalização.
Desde os anos 40 a empresa é fornecedora, para além do exército suíço, de exércitos estrangeiros, como os dos Estados Unidos da América e da Alemanha, entre outros. Os seus produtos conheceram forte procura ao nível da população em geral, potenciando a expansão da "Victorinox" para mais de cem países.
Alguns dos modelos de canivete mais recentes foram enriquecidos com novas peças, como a serra para madeira, a tesoura, o abre-garrafas e o saca-rolhas. Às quais se adicionaram, mais tarde, a lima para unhas, as pinças, a serra para metais, a régua graduada, a lupa, a chave de fendas em cruz, entre outras.
Os canivetes passam assim a assumir inúmeras combinações destas ferramentas simples e, nos finais do século XX, a empresa apresenta mais de quatrocentos modelos diferentes que respondem a mercados que ultrapassam em muito as originais necessidades do exército. O modelo mais conhecido desta marca é o "Swiss Champ", dotado de mais de trinta peças e pesando menos de 200 gramas.
Ao longo dos anos, o aço inox, amplamente empregue neste produto desde a sua invenção em 1921, vem sofrendo alguns aperfeiçoamentos tecnológicos ao nível da sua resistência e dureza (nomeadamente ao nível das peças mais solicitadas mecanicamente, como a serra de metais). Para além deste material são, desde meados do século utilizados metais e ligas metálicas mais leves como o alumínio e o latão, utilizados no esqueleto ao nas tampas do canivete. A importância simbólica e cultural assim como a qualidade formal e funcional deste objeto tornaram-no numa referência obrigatória para a história do design moderno. Atestam-no as coleções do MOMA (Museu de Arte Moderna de Nova Iorque) ou do Museu de Arte Aplicadas de Munique que exibem o canivete modelo Victorinox "Champion".
Como referenciar: canivete suíço in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-05-21 21:48:53]. Disponível na Internet: