Carlos

Protagonista de Viagens na Minha Terra, Carlos tem sido entendido como máscara ficcional de Garrett, quer quanto às opções liberais, quer no que diz respeito à inconstância afetiva, explicada na longa carta retrospetiva a Joaninha, quer ainda no "porte gentil e decidido", nos "olhos pardos (...) de uma luz e viveza imensa", no "carácter franco, leal e generoso, fácil na ira, fácil no perdão, incapaz de se ofender de leve, mas impossível de esquecer uma injúria verdadeira". Tendo crescido em Santarém com a prima Joaninha, amado pela sua velha avó e debaixo da tutela de Frei Dinis, Carlos suspeita de um segredo trágico na sua família e emigra por razões políticas para Inglaterra, onde se envolve sucessivamente com três irmãs inglesas, a última das quais é Georgina. De volta a Santarém, integrado nas tropas liberais, Carlos reencontra Joaninha, que o ama, mas, ao descobrir que Frei Dinis, que é o seu verdadeiro pai, assassinara o marido da sua mãe, recusa reintegrar-se na sua família e escolher entre o amor de Joaninha e o de Georgina. Carlos acaba candidato a deputado e barão, suicidando-se moralmente e confirmando, no seu destino individual, a decadência da nação.
Como referenciar: Carlos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-30 05:15:14]. Disponível na Internet: