Castro de Laundos

O castro de S. Félix ou de Laundos situa-se num morro a cerca de 200 metros de altitude.
Se bem que aí se tenham efetuado escavações no princípio do século, ao longo de três meses, pouco ou nada se sabe acerca da estrutura do povoado ou do espólio recolhido, cujo paradeiro, de tão atribulado percurso de museu para museu, praticamente se perdeu.
Visitando o local, ainda se pode divisar, para o lado nascente, uma tríplice linha de defesa que uma série de três aterros denunciam. Sabemos ainda, pela notícia do achado do tesouro, que pelo menos uma das suas casas era circular e coberta por telha de rebordo. A cerâmica que se pode recolher à superfície e uma conta de vidro azul recentemente descoberta aproximam-nos cronológica e culturalmente do vizinho, e mais importante, Castro de Terroso. Mas a notícia que realmente notabilizou este povoado foi a descoberta dentro de uma casa redonda, à profundidade de quatro palmos, de uma púcara de barro, tipo olla (talha), contendo duas arrecadas de ouro e um bolo de prata de teor baixo, com quatro a cinco centímetros de diâmetro.
As arrecadas são compostas pelo trancelim (constituído por quatro elos entrançados), pelo qual eram presas nas orelhas, uma parte intermédia, de forma circular, onde se inscrevem campânulas cónicas soldadas, e um apêndice triangular decorado com pseudogranulado. A técnica utilizada de laminados, o trabalho de filigrana e o granulado, testemunhando a assimilação das influências halstática e mediterrânica, e, por fim, o baixo teor de ouro, permitem situar estas joias na II Idade do Ferro.
Este achado testemunha ainda a atividade de um ourives no povoado.
Como referenciar: Castro de Laundos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 06:05:44]. Disponível na Internet: