Castro Verde


Aspetos Geográficos
O concelho de Castro Verde, do distrito de Beja, ocupa uma área de 569,3 km2 e abrange cinco freguesias: Casével, Castro Verde, Entradas, Santa Bárbara de Padrões e São Marcos da Ataboeira.
O concelho encontra-se limitado a norte pelos distritos de Aljustrel e de Beja, a sul pelo de Almodôvar, a oeste pelo de Ourique e a este pelo de Mértola. Este concelho apresentava, em 2005, um total de 7646 habitantes.
O natural ou habitante de Castro Verde denomina-se castro-verdense.
Possui um clima mediterrânico, com um período seco de cerca de 80 a 100 dias, durante o verão, em que a temperatura média varia entre os 28 °C e os 30 °C. No inverno, as temperaturas são relativamente baixas.
A sua morfologia é marcada pela serra de São Pedro das Cabeças, com 245 metros, e pela de Amendolira, com 214 metros.
Dos recursos hídricos, referência para a ribeira da Nova e para a ribeira de Cobres.

História e Monumentos
Terá sido em redor de um velho castro lusitano, decerto com muita vegetação, que se fixaram as primeiras populações e, a partir daí, foi-se promovendo o desenvolvimento destas terras. A este facto também se deve, muito provavelmente, a toponímia do concelho.
Na época dos Romanos, as populações formavam um povo com características muito próprias, que acabou por ser aculturado, aculturando, contudo, também os Romanos.
Terá sido nestas terras, mais precisamente no outeiro de S. Pedro das Cabeças, que terá culminado a batalha de Ourique, ocorrida nos Campos de Ourique, a que pertence Castro Verde, com a decapitação dos resistentes inimigos.
Neste local foram encontrados vários esqueletos separados da caveira, que comprovam a degolação dos reféns, mandada executar por D. Afonso Henriques.
Em 1510, foi-lhe outorgado foral por D. Manuel I.
A nível do património arquitetónico, destaca-se a Igreja Matriz, que apresenta um arco triunfal e uma pia de batismo renascentista, possuindo azulejos que retratam a Batalha de Ourique.
É de realçar ainda a Igreja das Chagas do Salvador ou da Nossa Senhora dos Remédios, que é forrada a azulejos do tipo holandês e que possui nas paredes quadros alusivos à batalha de Ourique.
São ainda de referir a Igreja da Misericórdia, a Capela de São Miguel, a Capela de São Martinho e a Capela de São Pedro das Cabeças, que simboliza e assinala o lugar onde se terá travado a já referida batalha de Ourique.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Neste concelho abundam as manifestações populares e culturais, sendo de destacar a festa de S. Pedro, realizada a 29 de junho; os Encontros de Castro, que decorrem no terceiro domingo de outubro; a festa dos Mastros Populares, em junho; a Feira de Castro, realizada no terceiro domingo de outubro, os mercados quinzenais e as feiras anuais, a 20 de janeiro e a 5 de maio.
No artesanato destacam-se as profissões de ferreiro e de abegão (carpinteiro de carroças).
Como instalação cultural, destaca-se o Museu da Lucerna.

Economia
No concelho predominam as atividades ligadas ao setor primário, seguido do setor secundário, com a indústria de extração mineira, vindo depois o setor terciário.
A agricultura mantém uma grande importância, com cerca de 77% da área concelhia dedicada a esta atividade, cerca de 77%, destacando-se os cultivos de cereais para grão e de leguminosas secas para grão, os prados temporários e as culturas forrageiras, as culturas industriais, o pousio, os prados e as pastagens permanentes.
A pecuária regista ainda alguma importância, nomeadamente na criação de ovinos, bovinos e aves.
Cerca de 1971 ha do seu território correspondem a área coberta por floresta.
Como referenciar: Castro Verde in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-22 22:20:39]. Disponível na Internet: