Cat Stevens

Cantor e compositor, de nome verdadeiro Steven Demetre Georgiou, nasceu a 21 de julho de 1947, em Londres. Filho de pai grego e mãe sueca, Cat Stevens desenvolveu na sua infância um interesse pela música e dança tradicionais gregas. Os anos da adolescência viveram a influência do rock'n'roll. Em meados dos anos 60 começou a compor as suas próprias canções e a atuar a solo. Em 1965, quando atuava sob o nome Steve Adams, foi descoberto pelo produtor Mike Hurst, que o levou a gravar "I Love My Dog", na Decca Records. Na sequência dessa gravação assinou contrato com a editora Deram, subsidiária da Decca, e assumiu o nome Cat Stevens.
Em 1966, surgiu o seu primeiro single de sucesso, na sequência das gravações: "I Love My Dog" atingiu o top 40 britânico. No ano seguinte, outro êxito: "Matthew And Son", que precedeu o álbum de estreia com o mesmo nome. Nesta altura, Cat Stevens compunha também canções para outros cantores; exemplos disso são os temas "Here Comes My Baby", gravado pelos Tremeloes, que chegou a n.º 5 no top do Reino Unido, e "The First Cut Is The Deepest" , editado por P.P. Arnold, n.º 20 na mesma tabela de vendas. Em 1968, apesar do sucesso relativo dos singles, Cat Stevens lança o seu segundo álbum New Masters. Este disco nem sequer chegou aos tops. No mesmo ano, o cantor contrai a tuberculose e fica hospitalizado por três meses, precisando de um ano para a recuperação total.
O single de regresso, "Where Are You" (1969), é um fracasso e o cantor rompe com a Deram. A editora Island Records é a responsável pela edição do seu terceiro álbum Mona Bone Jakon, que, apesar do êxito do single "Lady D'Arbanville", regista apenas vendas modestas. Ainda assim, o cantor continuou a escrever para outros e Jimmy Cliff edita o tema "Wild World" com algum sucesso. A notoriedade internacional surgiu com o quarto álbum, Tea For The Tillerman (1970), antecedido pela edição do tema "Wild World", interpretado pelo próprio Cat Stevens. O álbum seguinte, Teaser And The Firecat (1971), que incluiu clássicos como "Morning Has Broken", "Peace Train" e "Moon Shadow", confirmou a recente onda de êxito do cantor e catapultou-o para a fama mundial. Por esta altura, a Deram aproveitava a ascensão do cantor para editar compilações dos seus trabalhos antigos, conseguindo vendas consideráveis.
Os dois álbuns seguintes, Catch Bull At Four (1972) e Foreigner (1973), ainda que grandes sucessos de vendas, não produziram êxitos de assinalar. Os trabalhos Buddah And The Chocolate Box (1974) e Numbers (1975) marcaram o declínio da sua carreira.
Em 1977 iniciou o estudo do Corão e converteu-se à religião islâmica, mudando o seu nome para Yusuf Islam. Em finais dos anos 80 fundou uma escola islâmica em Londres. Durante cerca de 10 anos, o cantor manteve-se em silêncio e em retiro.
Em 1989 surpreendeu o mundo ao apoiar a condenação à morte de Salman Rushdie pelos seus Versículos Satânicos e a sua música foi alvo de boicote nas rádios americanas. Ainda assim, no ano seguinte, a compilação The Very Best Of Cat Stevens atingiu o n.º 5 do top britânico. Dez anos mais tarde, uma edição semelhante foi editada no mercado americano, atingindo os tops de vendas. Nessa ocasião, Yusuf Islam encetou uma tour promocional de lançamento das reedições dos álbuns antigos.
Os seus temas foram também alvo de versões por vários artistas: 10 000 Maniacs ("Peace Train"), Maxi Priest ("Wild World"), Pearl Jam ("Trouble"), Boyzone ("Father And Son"), Rod Stewart ("The First Cut Is The Deespest"), Mr. Big ("Wild World") e Johnny Cash ("Father And Son"), entre outros.
Como referenciar: Cat Stevens in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 19:02:29]. Disponível na Internet: