Catarina Furtado

Atriz e apresentadora portuguesa, Catarina Furtado nasceu a 25 de agosto de 1972, em Lisboa. Em criança, ingressou na Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa, formando-se em 1990.

Dividida entre o gosto pela dança e a atração pelo jornalismo herdada do pai, Joaquim Furtado, um jornalista da televisão pública, Catarina acabou por se inscrever no curso de jornalismo do Cenjor (Centro de Formação Profissional para Jornalistas), que terminou em 1991. Fez um estágio na Rádio. Nesse mesmo ano, no entanto, é convidada a fazer um casting para o programa televisivo Top Mais. É escolhida, começando assim a sua carreira de apresentadora na televisão.
Em 1992, apresenta o MTV-Portugal e, em 1993, torna-se uma das caras mais conhecidas do pequeno ecrã como apresentadora do Chuva de Estrelas, um programa que se tornou um enorme sucesso. Segue-se, um ano depois, o programa Caça ao Tesouro (1994); em 1995, apresenta Uma Noite de Sonho e, depois, vários programas de moda, música, galas, reportagens e entrevistas com atores famosos.

Em 1999, vimo-la como apresentadora do programa Pequenos e Terríveis e, em 2001, volta aos ecrãs de televisão, desta vez como atriz, como uma das protagonistas da telenovela Ganância.

Catarina tem desenvolvido a sua carreira de atriz tanto no cinema como no teatro. Iniciou o seu percurso cinematográfico em 1993, com duas curtas-metragens, O Assassino da Voz Meiga, de Artur Ribeiro, e Amor e Alquimia, de Fernando Fragata. Em 1995, vai para Londres, onde estuda teatro clássico, durante dois anos, na London International School of Acting.

Participa na curta-metragem Killing Time (1997), apresentada no Festival de Cannes, e nas longas-metragens Fátima (1997), de Fabrizio Costa, Anjo da Guarda (1997), de Margarida Gil, Siamese Cop (1997), uma produção inglesa de Paul Morris, Pesadelo Cor-de-Rosa (1997), de Fernando Fragata, onde contracena com Diogo Infante, Longe da Vista, um filme de João Mário Grilo, O Lampião da Estrela (2000) e Guiné, telefilme de Luís Galvão Telles (2000).

No Teatro, Catarina participou nas peças Quase (1999), The Days Before (1999), sob a direção de Bob Wilson, Lucefécit (2000), encenada por João Lourenço, e A Maçã no Escuro (2000). Depois de ter sido a representante no nosso país da campanha internacional Cara a Cara - que visa o melhoramento das condições de vida das mulheres em todo o Mundo - Catarina foi nomeada, em 2001, embaixadora da Boa Vontade da ONU.

Considerada como um dos rostos mais bonitos da televisão portuguesa, apresentou ainda os programas Catarina.Com (2002), Operação Triunfo (2003), no seu regresso à RTP, Pequenos em Grande (2005) e Dança Comigo (2006). Foi também a protagonista da comédia Maria e as Outras (2004).


Como referenciar: Catarina Furtado in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-19 07:41:28]. Disponível na Internet: