celomados

A evolução do celoma - uma cavidade interna rodeada pela mesoderme - foi o maior avanço evolutivo para o Reino Animal, pois possibilitou o desenvolvimento de complexos órgãos internos.
Entre os animais celomados, existem duas linhas evolutivas: os protostómios, nos quais a boca se desenvolveu a partir do blastóporo (é o caso, por exemplo, de insetos e crustáceos), e os deuterostómios, em que o ânus se desenvolveu a partir do blastóporo (por exemplo, anelídeos, moluscos, equinodermes e cordados).
A evolução de uma cavidade interna do corpo tornou possível um significativo avanço na arquitetura animal. Imaginem-se as limitações de um corpo maciço: um verme sólido não teria nem sistema digestivo nem sistema circulatório, e todos os seus órgãos internos estariam comprimidos pelos músculos e seriam deformados pela atividade muscular. Animais como os humanos têm uma cavidade ou celoma que é limitada pelo peritoneu.
A mais importante vantagem da existência de um celoma é que os órgãos estão situados dentro de um invólucro flexível, no qual podem funcionar sem ter que resistir a pressões dos músculos circundantes. Além disso, o fluido que preenche a cavidade pode funcionar como um sistema circulatório, transportando livremente alimentos, água, excreções e gases através do corpo. Sem uma circulação livre, muitas células do animal teriam que estar a curta distância do oxigénio, da água e de todas as outras substâncias. Vantagens idênticas se podem indicar para os sistemas digestivo e reprodutor.
Nos celomados, a cavidade - celoma - desenvolve-se, não entre a endoderme e a mesoderme, como nos pseudocelomados, mas inteiramente no interior da mesoderme.
Como referenciar: celomados in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-21 23:25:43]. Disponível na Internet: