Celso Fonseca

Compositor e instrumentista brasileiro, Celso Fonseca nasceu em 1962. Começou a aprender guitarra aos 12 anos de idade e aos 19 chegava ao profissionalismo, tocando com o saxofonista Roberto Guima. Depois disso, juntou-se à banda de Gilberto Gil, experiência que lhe abriria portas para privar com alguns dos grandes nomes da MPB, nomeadamente Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento, Djavan, Gal Costa, Jorge Benjor, Marisa Monte, Elza Soares, entre outros. Com eles, ganharia ampla experiência de estúdio, participando como músico em alguns discos importantes da música brasileira. Além disso, é também a acompanhar alguns desses músicos que corre o mundo, participando em vários festivais internacionais. Em 1986, trabalhando em dois registos de Vinícius Cantuária, estreia-se como produtor. A lista de artistas produzidos por Celso Fonseca seria engrossada, nos anos seguintes, com os nomes de Gilberto Gil, Paula Morelenbaum, Daniela Mercury, Gal Costa, o português António Chainho e a japonesa Chie. Como compositor, havia debutado um pouco antes, ao lado de Ronaldo Bastos, escrevendo, em 1983, o tema "Sorte", gravado por Caetano Veloso e Gal Costa, para o álbum Bem Bom (1985). Depois disso, nos anos seguintes, escreveu algumas canções que ganharam notoriedade: "A noite é o meu ópio" (Nana Caymmi), "Mania" (Zizi Possi), "Um Rei" (Ney Matogrosso), "Bog La Bag" (Carlinhos Brown), "Sei de Cor" (Maria Bethânia), "O eterno Deus Mu Dança" (Gilberto Gil), "Só fala em mim" (Ana Carolina) e "Comunidá" (Gal Costa) são alguns exemplos.
A estreia a solo aconteceria em 1986, com o longa-duração Minha Cara. A consagração internacional, todavia, chegaria em 2001, com a nomeação para dois Grammy latinos, em 2002, pelo seu trabalho Juventude / Slow Motion Bossa Nova (2001). O tema-título do disco também seria utilizado numa mediática campanha publicitária das sandálias Ipanema, com o manequim Gisele Bündchen. O impacto internacional das nomeações para o Grammy, justificaria uma intensa agenda de atuações além-fronteiras, em alguns palcos importantes, na Europa e no Japão, particularmente no circuito Blue Note. Foi o segundo artista brasileiro a apresentar-se, em 2002, no mítico Later with Jools, programa televisivo da BBC. Nos anos seguintes, além do trajeto individual, participou em alguns projetos de outros músicos, como o disco Lisboa/Rio (2000), de António Chainho, o álbum Uma Batida Diferente (2004), dos Bossacucanova ou o registo Berimbaum (2004), da cantora Paula Morelenbaum.
Em 2005, editaria no mercado internacional Rive Gauche Rio, o mais bem recebido registo do seu percurso além-fronteiras e que justificou uma mediática digressão internacional, passando pela Europa e Japão. O álbum seria lançado no ano seguinte no mercado brasileiro.
Discografia
1986, Minha Cara
1993, O Som do Sim
1994, Sorte
1997, Paradiso
2001, Juventude/Slow Motion Bossa Nova
2003, Natural
2005, Rive Gauche Rio
Como referenciar: Porto Editora – Celso Fonseca na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-04 23:20:19]. Disponível em