Centauro

Revista dirigida por Luís de Montalvor e de que foi lançado um único número em outubro de 1916. Abre com a "Tentativa de um ensaio sobre a Decadência", onde Luiz de Montalvor apela para uma recuperação do simbolismo, cuja breve explicação baseia numa teoria dos símbolos, bebida em Maeterlinck, movimento literário enaltecido por conter uma "teoria de libertação", "um fundo espiritual poético e misterioso", mais adiante identificado como "flôr da arte decadente": ser-se decandente "É ser-se, enfim, andrógino e equívoco de qualquer maneira. É ser-se, enfim, todos, sem ser o que todos são, [...] Só são decadentes os que receberam o mandato de Deus e da Beleza [...]". É neste contexto que é feita a publicação dos poemas inéditos de Camilo Pessanha (posteriormente recolhidos em Clepsidra, 1920), como expressão mais pura do simbolismo português. Nela colaborarão Alberto Osório de Castro (Quatro Sonetos), Fernando Pessoa (Passos da Cruz, 14 sonetos), Raul Leal (A Aventura de um Satyro ou a Morte de Adonis, conto), Júlio de Vilhena (Ultima Nau) e Silva Tavares (Poemas da Alma Doente).
Como referenciar: Centauro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 12:43:37]. Disponível na Internet: