Citroën

A Citroën, marca francesa de automóveis, surgiu em 1919 por iniciativa de André Citroën, um engenheiro nascido em 1878. André Citroën começou por trabalhar numa fábrica de caixas de velocidade e, em 1908, foi convidado para mudar para a Automobiles Mors, estreando-se assim na indústria automóvel.
Em 1912, visitou uma fábrica da Ford, nos Estados Unidos da América, e ficou a conhecer o modelo de produção em série, no caso, o Ford T.
Entretanto, eclodiu a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), durante a qual André dirigiu uma fábrica de armamento. Após o final do conflito, em 1919, resolveu fundar a sua própria marca de carros, onde começou por produzir automóveis pequenos e baratos, modelo A (ou Torpédo), recorrendo à produção em série. Foi o primeiro caso destes na Europa. Um ano depois, já tinha construído cerca de vinte mil automóveis, mais do que a Peugeot e Renault juntas. O símbolo da Citroën, duas flechas em paralelo, surgiu nessa altura. Por volta dessa altura, o primeiro carro a fazer a travessia do deserto do Saara era da Citroën. Entre 1924 e 1925 teve lugar a Expedição Negra, um raid através de África com carros da Citroën, que percorreram o continente de norte a sul.
Entre 1931 e 1932 teve lugar a Expedição Amarela, que levou uma caravana automóvel da Citroën a atravessar a Ásia Central, de Beirute a Pequim.
No entanto, a época dourada da Citroën chegou ao fim em 1934, altura em que a empresa estava cheia de dívidas. Nesse ano, foi lançado o popular modelo "Traction Avant", que ficou conhecido em Portugal por "arrastadeira"
Em 1935, ano da morte de André Citroën, a Citroën foi comprada pela Michelin, produtora de pneus.
Depois da Segunda Guerra Mundial, em 1949, foi lançado o Citroën 2CV, aquele que viria a ser o carro mais popular da marca francesa, e um dos mais famosos da história automóvel.
Outro caso de grande sucesso foi o modelo DS, conhecido em Portugal, por "boca de sapo", apresentado pela primeira vez no Salão Automóvel de Paris em 1955.
Em 1961 foi lançada a carrinha Ami 6, para preencher o vazio de modelos que havia na Citroen entre o 2CV e o DS. Seis anos mais tarde, surgiu o Citroën Dyane, este destinado a ocupar o lugar entre o 2 CV e o modelo Ami, aos quais foi buscar inspiração e conceitos.
Em 1970 apareceu no mercado o carro de gama média, GS, seguido pelo mais luxuoso SM. Este viria a ser substituído em 1975 pelo CX.
Em 1976 deu-se a fusão entre a Citroën e a Peugeot, que levou a que a plataforma da maioria dos modelos das duas marcas passasse a ser comum.
Vários modelos surgiram após esa data, como é o caso, por exemplo, do pequeno e bem sucedido Visa, que teve uma carreira de sucesso até 1986, ano em que foi lançado o também popular AX; o BX e o luxuoso XM (1989), eleito carro do ano a nível mundial, sem grande sucesso comercial; o modelo ZX (1991), que, em versão desportiva, venceu o Rali Paris-Dakar, a mais importante prova de todo-o-terreno do mundo, e o grande raid Paris-Pequim; e o Xantia (1993), que representa o início do processo de renovação de toda a gama da marca francesa.
Em1994, a Citroën estreou-se nos monovolumes com o Evasion, projetado em parceria com a Peugeot (806), a Fiat (Ulysse) e a Lancia (Zeta). Seguiram-se os modelos Saxo (1996), Xsara (1997), até que em 2000 houve outra renovação de estilo, iniciada com o modelo C5, ao qual se seguiram sucessivamente o C3, o C8 e o C2.
Como referenciar: Citroën in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 11:16:43]. Disponível na Internet: