Cohen

Os Cohen são figuras importantes na sociedade lisboeta. Em Os Maias, de Eça de Queirós, Jacob Cohen é "o respeitado diretor do Banco Nacional, o marido da divina Raquel, o dono dessa hospitaleira casa da Rua do Ferregial onde se jantava tão bem."
Judeu e banqueiro, "com aquele sorriso indulgente de homem superior", é muito influente.
A sua esposa Raquel Cohen, "divinamente bela" e "seráfica", era provocante, leviana e adúltera. "Era alta, muito pálida, sobretudo às luzes, delicada de saúde, com um quebranto nos olhos pisados, uma infinita languidez em toda a sua pessoa, um ar de romance e de lírio meio murcho: a sua maior beleza estava nos cabelos, magnificamente negros, ondeados, muito pesados, rebeldes aos ganchos, e que ela deixava habilmente cair numa massa meio solta sobre as costas, como num desalinho de nudez. Dizia se que tinha literatura, e fazia frases. O seu sorriso lasso, pálido, constante, dava lhe um ar de insignificância."
Mulher de trinta anos, Raquel Cohen aparece numa ligação íntima a Ega, que a adorava. No entanto, esta relação rapidamente se desfez, quando o Cohen descobre e expulsa aquele da sua casa.
Como referenciar: Cohen in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-19 17:53:51]. Disponível na Internet: