Coimbra de Matos

Psiquiatra, pedopsiquiatra e psicanalista português, António Coimbra de Matos nasceu a 20 de dezembro de 1929, numa aldeia perto de Peso da Régua, chamada Galafura. A sua infância vivida nesta aldeia, em terras do Douro, vai ter um papel preponderante no crescimento e desenvolvimento do seu carácter. Contudo, vai ser na cidade do Porto, para onde se muda, com dez anos, para poder estudar com melhores condições, que começa a criar novas ambições e desejos e onde se vislumbra já uma carreira brilhante. O Porto será muito importante enquanto cidade que abre novas perspetivas, novas ambições e desejos. É aí que se forma em Medicina e vai alimentando a sua busca pela cultura e pelos projetos científicos.
Especializa-se em psiquiatria, em 1959, e mais uma vez muda de cidade para poder desenvolver as suas perspetivas e carreira profissional. Desta vez, escolhe Lisboa. Vai ser em Lisboa que a sua carreira, tanto hospitalar como psicanalítica e académica, vão ter um maior desenvolvimento.
Após a saída do Dr. João dos Santos, por reforma, da direção do Centro de Saúde Mental Infantil e Juvenil de Lisboa, do qual foi fundador, Coimbra de Matos ocupa a sua direção e durante vinte anos vai promover um desenvolvimento primordial deste departamento hospitalar. Por motivos de reestruturações do Ministério da Saúde, no âmbito da saúde mental, este centro teria de passar a funcionar agregado a um hospital principal e, em 1992, foi encerrado e transferido para o entretanto criado Departamento de Pedopsiquiatria do Hospital D. Estefânia. Ali, Coimbra de Matos continuou a desenvolver o seu trabalho hospitalar até à sua reforma. Analista didata na Sociedade Portuguesa de Psicanálise e presidente da comissão de ensino, destaca-se não só pelo apreço ao ensino e formação de novos psicanalistas, mas também por uma participação entusiasta no trabalho científico levado a cabo pela referida Sociedade.
Inicia carreira no ensino em 1982 como docente na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade Clássica de Lisboa, onde permanece como professor convidado nas cadeiras semestrais de Psicopatologia Dinâmica da Criança e do Adolescente e Psicopatologia Dinâmica do Adulto até ao ano letivo de 2000/2001, ano em que deixou de exercer a sua função por motivos de reforma.
Em 1990, torna-se professor associado convidado do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa, na cadeira de Psicopatologia Geral e nos temas avançados de Relação Terapêutica.
É convidado para dar aulas de mestrado na Faculdade de Psicologia desde a altura da sua reforma e orienta mestrados de Psicologia e Psicopatologia Clínica e Psicossomática no Instituto Superior de Psicologia Aplicada, instituição onde continua a lecionar.
Tem muitos artigos publicados nas revistas Jornal do Médico e O Médico, que foram colecionados pela Bial e que mais tarde foram editadas com o título de Escritos, que já perfazem dez volumes.
Fundador e presidente de várias sociedades cientificas, nomeadamente da Sociedade Portuguesa de Psicossomática, é essencialmente como conferencista que vai desenvolvendo a área de investigação clínica e de ensino.
É também presidente do Colégio de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Ordem dos Médicos.
Publicou em maio de 2001 o livro A Depressão: episódios de um percurso em busca do seu sentido, uma seleção de artigos publicados no Jornal do Médico e na Revista Portuguesa de Psicanálise e outros artigos novos expressamente elaborados para este livro, essencialmente sobre a patologia depressiva, depressão, tratamento e sua prevenção.
Publica o seu segundo livro - O Desespero - em 2002, sobre a patologia Borderline. A seguir, lança Adolescência (2002) e, já em 2003, Mais Amor Menos Doença.
Como referenciar: Coimbra de Matos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 08:00:39]. Disponível na Internet: