comunicação com intercâmbio/sem intercâmbio

Na comunicação com intercâmbio, os papéis do emissor e do recetor alternam-se com frequência. Normalmente os enunciados produzidos são imperfeitos e incompletos, com muitos erros de expressão a nível fónico, lexical e morfossintático. Por resultarem de uma expressão espontânea, que a todo o momento pode ser esclarecida pelo diálogo, muitas vezes, esses erros têm de se aceitar desde que não impeçam a compreensão. De qualquer forma, e sempre que possível, devem ser corrigidos para que as ideias se tornem mais precisas e claras.
Na comunicação sem intercâmbio não há permuta entre emissor e recetor. Por esse motivo, qualquer enunciado deficiente não pode ser esclarecido e sofre, com frequência, interpretações diversas e que podem ser totalmente deturpadas. O cuidado a ter na organização das ideias e na estruturação do discurso tem de ser o melhor. Aí torna-se essencial a planificação do trabalho, devidamente fundamentado, com sequência lógica, sem desvios que possam prejudicar a sua coesão e coerência, com perfeita adequação ao assunto e sempre com a correção possível.
Como referenciar: comunicação com intercâmbio/sem intercâmbio in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-09 07:57:28]. Disponível na Internet: