Concerto em Mi Maior para Clarinete e Bateria

Contemporâneos dos movimentos e iniciativas que transformaram as faces da poesia nos anos 60, nomeadamente a publicação da coletânea Poesia 61 ou o desenvolvimento da poesia concreta e experimental, os textos reunidos em Concerto em Mi Maior para Clarinete e Bateria de Salette Tavares, publicados em 1961, denunciam a preocupação em operar experiências sobre o material verbal, através do jogo com a sua disposição visual (valoração do espaço branco, das possibilidades combinatórias que oferece uma disposição horizontal e vertical do verso) e da exploração das potencialidades fónicas do significante, com recurso a uma regularidade rítmica que não exclui processos tradicionais como a rima (cf. "Nem já os rios se abrirão sob os teus passos"). Este experimentalismo não se esgota, porém, no prazer do jogo versificatório, sugerindo paralelamente um envolvimento subjetivo no tratamento das implícitas e desencontradas trajetórias do amor: "Sangram agora banais / os dias de nosso amor / sem teus lábios em meus seios / sem meu leite em tuas mãos" ("Segundo Andamento, tempo giusto").
Como referenciar: Concerto em Mi Maior para Clarinete e Bateria in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-17 04:42:58]. Disponível na Internet: