Contos de minha Lavra

Primeiro volume de contos de Alberto Braga, o primeiro dos quais, "O amor do Padre Margarida", história de um padre que morre por amor, é dedicado a Camilo Castelo Branco. Que o autor se encontra mais próximo da estética romântica do que da estética realista prova-o esse primeiro texto, em que a paixão proibida do protagonista, em vez de ser explorada para a exposição de vícios sociais, nunca se concretiza, sublimando-se numa morte trágica. Na coletânea predominam, aliás, as intrigas passionais, repletas de desonras, adultérios, sacrifícios, bem ao jeito do imaginário do autor de Novelas do Minho, que influencia Alberto Braga também ao nível da narração, onde são frequentes as digressões e as intervenções do narrador. Mesmo o conto "A redenção", cuja ação se inicia numa aula de dissecção da Escola Médico-Cirúrgica do Porto, propiciando uma descrição do tipo naturalista, é absolutamente romântico. Acrescem as alusões irónicas do autor à escola realista-naturalista no interior das próprias narrativas, como a que encontramos em "A rabeca de Nicolau": "Que em face das lei fisiológicas já não há criminosos, há apenas doentes. Pesam-se os crâneos, contam-se as circunvoluções encefálicas, estremam-se os glóbulos sanguíneos da parte linfática; e, feito isso e pouco mais, todos os delinquentes, desde os facínoras mais cruéis até aos ladrões mais refinados são simples... enfermos!"
Como referenciar: Contos de minha Lavra in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-04-18 00:09:41]. Disponível na Internet: