Costa Ferreira

Escritor português, nascido a 10 de junho de 1918, em Elvas, e falecido em 1997, licenciado em Direito, chegou a exercer a advocacia, rapidamente trocada por uma carreira como homem de teatro, desempenhando simultaneamente as funções de autor, tradutor de textos dramáticos (com Luiz Francisco Rebello traduziu Ibsen e Pirandello, entre outros dramaturgos), ator e encenador. Estreou-se como ator nos Companheiros do Pátio das Comédias, grupo para o qual escreveu a sua primeira peça, Noturno, passando posteriormente pelo Teatro Nacional Popular, Teatro Moderno de Lisboa, Companhia Portuguesa de Comediantes, Teatro Nacional, Teatro da Cornucópia. Para Luiz Francisco Rebello (cf. prefácio a Uma Casa com Janelas para Dentro (Memórias), Lisboa, INCM - Sociedade Portuguesa de Autores, 1985), nas peças mais representativas de Costa Ferreira, "os temas encadeados da solidão e da alienação servem de suporte a uma visão ácida e impiedosa da sociedade burguesa no seu ocaso". A observação atenta da vida e da sociedade e a coerência da dinâmica dramática justificam o facto de quase todas as suas peças terem sido levadas, com êxito, à cena, sendo que a sua produção dramática, e consequente representação, se centram essencialmente na década de 50, decénio ao longo qual estreou Por um Fio (Teatro da Trindade, 1950), Trajo de Luxo (Nacional, 1952), Milagre da Rua (Maria Vitória, 1952), Quando a Verdade Mente (Trindade, 1955), Atrás da Porta (Monumental, 1956), Comédia das Verdades e das Mentiras (Teatro Nacional Popular, 1956), Um Dia de Vida (Trindade, 1958), Um Homem Só (Trindade, 1959). Depois de Os Desesperados (1961), não publicou mais nenhuma obra inédita, assumindo o silêncio como recusa do papel que vinha sendo exigido ao intelectual sob o regime salazarista. Esse silêncio só será quebrado após a Revolução de abril, com a publicação de Uma Casa com Janelas para Dentro, volume memorialístico, onde evoca seis décadas da vida portuguesa oferecendo o itinerário pessoal e artístico do autor ao longo do percurso histórico que vai desde os últimos anos da I República até ao 25 de abril de 1974, sob a perspetiva do teatro e de uma geração que teve, pela arte dramática, a ousadia de lutar pela liberdade.
Como referenciar: Costa Ferreira in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-21 22:04:11]. Disponível na Internet: