Cromeleque dos Almendres

Monumento megalítico situado na freguesia de Guadalupe, no distrito de Évora, foi descoberto em 1964, durante um trabalho realizado por Henrique Leonor Pina, para a Carta Geológica de Portugal.
Considerado o maior conjunto de menires da Península Ibérica, é constituído por 95 megálitos de granito de diversas formas e tamanhos, desde pequenos monólitos de aspeto pouco trabalhado a grandes elementos, com cerca de três metros de altura, com formato cilíndrico. Estudos revelam que a sua origem remonta ao fim do IV milénio, princípios do V, e que foi sofrendo alterações até ao início do III milénio a. C. Para compreensão desse processo evolutivo são considerados três períodos fundamentais: o Neolítico Antigo, o Médio e o Final.
No Neolítico Antigo, o cromeleque era constituído por três círculos concêntricos. No Médio, ganhou mais um espaço, com duas elipses concêntricas e irregulares. No Final, surgiram manifestações religiosas expressas nas gravuras e relevos apresentados em alguns monólitos.
Como referenciar: Cromeleque dos Almendres in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 11:10:46]. Disponível na Internet: