Crónica General de España

Relato historiográfico em língua vulgar impulsionado por Afonso X (1221-1284), Rei de Leão e Castela. Modelo de "crónica geral", isto é, uma síntese da história peninsular que evolui para uma crónica real, servirá de matriz para a composição historiográfica dos séculos seguintes, produto, muitas vezes, da refundição e ampliação desta primeira crónica geral, como é o caso da Crónica Geral de Espanha de 1344, redigida por D. Pedro, conde de Barcelos. A noção de autoria da Crónica General implica compreender uma intervenção de Afonso X na composição do relato que abrange a ideação da obra; a contratação e distribuição de pessoal para tradução e cópia de registos historiográficos, e para a recolha de material para cada tratado; a revisão e a supervisão da redação. Encetado em cerca de 1270, o projeto foi progressivamente abandonado a partir de 1275, dedicando-se o monarca à realização de um projeto historiográfico mais ambicioso, que serviria de introdução à história de Espanha, situando-a na história bíblica e universal, a General Estoria. No entanto, a recolha e seriação de material continuou a crescer, complicando para os estudiosos a demarcação do termo da sua redação sob o reinado de Afonso X, durante o qual se presume estariam concluídos os 565 ou 616 primeiros capítulos, acusando os manuscritos que nos foram legados a intervenção de redatores de diferentes épocas.
Como referenciar: Crónica General de España in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-22 00:16:29]. Disponível na Internet: