curva da oferta

Muitos dos problemas económicos fundamentais são analisados à luz dos aspetos que estão à volta do conceito de mercado, que corresponde a um processo de interação entre compradores e vendedores de um determinado produto, resultando dessa interação a determinação do preço e da quantidade desse mesmo produto. O mercado pressupõe assim a existência de uma oferta (que estará a cargo dos produtores) e de uma procura (que derivará do comportamento dos consumidores e compradores), que vão atuar de acordo com os seus interesses no sentido de verem concretizados os seus objetivos fundamentais: vender e obter lucro para os produtores e satisfazer necessidades tendo em conta eventuais restrições monetárias para os compradores.
Deve, no entanto, notar-se que há mercados de vários tipos (mercado de produtos finais, mercado de bens intermédios, mercado de trabalho, etc.) que se regem por regras específicas eventualmente diferentes, embora no fundamental os mecanismos sejam similares.
Assim, pode dizer-se que num determinado mercado o comportamento da oferta e da procura em termos de quantidades oferecidas ou procuradas de um produto depende em larga medida do preço desse mesmo produto. No caso do lado da oferta, e de acordo com a denominada lei da oferta, verifica-se uma relação positiva entre preço e quantidade oferecida, entendida como o conjunto das intenções de venda dos produtores de um determinado produto, independentemente da sua concretização posterior em vendas efetivas. Assim, um aumento no preço de mercado provoca por norma um aumento da quantidade oferecida, enquanto uma diminuição naquele preço tem um impacto negativo nesta. A oferta corresponde assim à soma das intenções de venda dos produtores (empresas) no mercado, sendo que essas intenções apenas se concretizarão em vendas se a procura o permitir.
A curva da oferta (ou função oferta) não é mais do que a representação num gráfico da relação entre o preço de mercado e a quantidade oferecida nesse mesmo mercado para um determinado produto. Mais concretamente, é colocada no eixo das ordenadas (na vertical) a variável preço e no eixo das abcissas (na horizontal) a variável quantidade. Tendo em conta a relação positiva entre preço e quantidade do lado da oferta, a curva da oferta terá normalmente um declive ou inclinação positiva (direcionada na perspetiva dos pontos cardeais entre sudeste e noroeste). De qualquer modo, a forma e inclinação da curva da oferta dependem designadamente da elasticidade da oferta face ao preço, ou seja, da relação entre a variação na quantidade face a uma variação unitária no preço.
Neste contexto, a curva da oferta representa o conjunto de pontos que correspondem a relações preço-quantidade aceites pelos produtores de um determinado produto num determinado mercado, sendo que o posicionamento num determinado ponto dependerá do comportamento da procura no mesmo mercado e para o mesmo produto.
Há, no entanto, situações em que se podem verificar deslocações (para a esquerda ou para a direita) da própria curva da oferta. Uma situação de deslocação da curva da oferta para a direita implica que a quantidade oferecida seja sistematicamente maior para cada um dos níveis de preços. A ocorrência desta situação pode derivar de situações em que se verifica a diminuição dos custos de produção dos produtores que, podendo produzir a preços mais baixos, poderão colocar à venda uma maior quantidade de produtos e assim obter os lucros desejados. Outra situação que pode justificar a ocorrência de deslocações na curva da oferta é a existência de condições climatéricas favoráveis (principalmente no caso de produtos agrícolas). Por outro lado, a deslocação da curva da oferta para a esquerda pode derivar de um aumento dos custos de produção das empresas e/ou de condições climatéricas desfavoráveis.

Como referenciar: curva da oferta in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-04 02:59:36]. Disponível na Internet: