D. Lopo de Sousa Coutinho

Matemático, filósofo, latinista e escritor português, filho de Fernando Coutinho (n. 1490) e de Joana de Brito (n. 1500), neto do 2.º conde de Marialva, D. Gonçalo Coutinho, Lopo de Sousa Coutinho nasceu em Santarém em 1515. Casou com D. Maria da Costa (D. Maria de Noronha) e deste casamento resultaram sete filhos, entre eles Manuel de Sousa Coutinho (mais tarde, Frei Luís de Sousa) que casaria com D. Madalena de Vilhena.
Homem erudito, Lopo de Sousa Coutinho morreu na vila de Povos, no dia 28 de janeiro de 1577, quando ia a apear-se do cavalo: a espada desembainhou-se, Lopo caiu sobre ela e enterrou-a no peito. Foi sepultado em Santarém.
Na obra Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, as referências a Lopo de Sousa Coutinho surgem em dois momentos de tensão dramática, pela voz de Manuel de Sousa Coutinho e por comparação da desgraça de seu pai com a que agora se abate sobre a sua família.
Na primeira referência (Cena XI, Ato I), afirma que seu pai morrera "desastrosamente caindo sobre a sua própria espada" e agora, ao atear fogo ao seu palácio para não receber os Governadores que aí pretendiam instalar-se, interroga-se: "Quem sabe se eu morrerei nas chamas ateadas por minhas mãos?".
Na segunda referência (Cena I, Ato III), no momento em que o casal se prepara para ingressar na vida religiosa, Manuel de Sousa Coutinho, perante tanta desgraça que se abatera sobre a sua família, questiona-se sobre o que terá feito o filho de Lopo de Sousa Coutinho para merecer ser "o homem mais infeliz da terra, posto de alvo à irrisão e ao discursar do vulgo?".
Como referenciar: D. Lopo de Sousa Coutinho in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 06:12:31]. Disponível na Internet: