Da Lata

Banda brasileira fundada em 1998 e sediada em Londres, partiu de uma ideia inicial de Christian Franck (guitarrista) e Patrick Forge (produtor). Juntos em várias atuações públicas sob o nome Batu, o par de intérpretes teve oportunidade de gravar algumas canções mas não se tornou mais do que um projeto temporário. Depois de alguns anos de atividade, Franck e Forge voltaram a juntar-se e, em 1998, criaram o conceito Da Lata, na companhia da vocalista brasileira Liliana Chachian e do percussionista português Oli Savill. O som do grupo era um híbrido da mais fina tradição musical brasileira, com ritmos tirados do samba e da bossa nova, e da eletrónica, conjugando ambientes relaxantes e entretidos. Embora não se tratasse de uma sonoridade inteiramente nova ou original, o quarteto colheu uma boa receção do público, especialmente, numa primeira fase, do mercado britânico, menos familiarizado com a visão dançante da música brasileira. O primeiro registo dos Da Lata, Songs From the Tin, editado em 2000, apresentava uma perspetiva cosmopolita da música brasileira, marcada pela brasilidade na expressão vocal mas cheio de inventividade eletrónica. A experiência não era integralmente nova para Christian Franck, ele tinha estado ligado à muito mediática "Underwater Love", canção que popularizou o seu outro projeto, os Smoke City. A fusão sonora dos Da Lata, numa estética semelhante à dos Smoke City, mereceria apreciações positivas da crítica especializada e atingiria uma performance comercial relevante. A crescente mediatização do projeto justificou a edição, dois anos mais tarde, de um disco de remixes que, provando a perícia técnica do coletivo, remexia nas criações de outros autores para lhes emprestar a mesma sonoridade de fusão. Entre as eleitas para o alinhamento de remisturas destacam-se canções de Femi Kuti, Sly and Robbie, Victor Davies, Carlinhos Brown, Bebel Gilberto e Grupo Batuque. A boa aceitação do primeiro álbum justificaria algumas digressões pela Europa, Japão e EUA, permitindo ao grupo a participação em alguns festivais de renome como o North Sea Jazz, o New York Summer Stage, o Heineken Festival, o Roskilde e o Womad.

A visão reformista e de fusão dos Da Lata seria aprofundada no segundo álbum, Serious, editado em 2003. Além das indispensáveis cadências brasileiras, os Da Lata capturavam a essência de outras sonoridades, nomeadamente os ritmos africanos. A lista de participações notáveis do álbum era extensa. Ao lado de músicos de renome (Paul Aguilera, Marcelo Jeneci da Silva, Davide Giovannini, Dennis Rollins e Mike Patton), surgiam as vozes de Jhelisa Anderson, Baaba Maal, Nina Miranda, Courtney Denni, Bembe Segue e Mamani Keita. A faixa-título tornar-se-ia um êxito imediato e uma das preferidas dos DJs, um pouco por todo o mundo. A promoção do disco levaria a banda a novas digressões fora do Reino Unido e à participação noutros certames importantes, casos de Glastonbury, Coachella, Nu Jazz de São Petersburgo e o Festival of World Cultures, em Dublim.

Discografia 2000, Songs from the Tin
2002, Remixes
2003, Serious

Como referenciar: Da Lata in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-18 14:22:10]. Disponível na Internet: