darmstádio

O darmstádio, cujo símbolo químico é Ds, é um elemento químico sólido a 25 ºC, metálico, preparado por síntese, de cor branco-prateada ou acinzentada, que se localiza no grupo 10 e período 7 da Tabela Periódica. Este elemento possui número atómico 110 e massa atómica (269).

O darmstádio foi descoberto a 9 de novembro de 1994, por uma equipa constituída pelos cientistas S. Hofmann, V. Ninov, F. P. Hessberger, Peter Armbruster, Gottfried Munzenber, H. Folger, H. J. Schott e seus colaboradores, na Alemanha, no GSI (Gesellschaft Schwerionenforschung Institut).
Este novo elemento foi produzido pela fusão de átomos de níquel e átomos de chumbo. Este processo foi realizado acelerando os átomos de níquel até uma elevada energia usando o acelerador de iões pesados UNILAC do GSI. Depois de um período de vários dias, muitos biliões de biliões de átomos de níquel foram fundidos num alvo de chumbo com o objetivo de produzir e identificar um único átomo de darmstádio.

Este elemento possui esta designação associada com o facto de por vezes se nomear os elementos com o nome do local onde foram descobertos. Como este elemento foi descoberto na cidade de Darmstadt, na Alemanha, também é conhecido em português por darmstátio.

O darmstádio não se encontra presente na Natureza. Se este se encontrasse presente constituiria um risco devido à sua perigosa radiação. Nunca foi observada a formação de grandes quantidades de darmstádio uma vez que este decai muito rapidamente devido à emissão de partículas alfa que constituem o núcleo dos átomos de hélio. A meia-vida destas partículas é de apenas 270 microssegundos.

As primeiras amostras foram obtidas a partir de reações nucleares envolvendo a fusão de um isótopo de chumbo, o chumbo-208, com níquel-62. Outros isótopos de darmstádio foram produzidos usando diferentes isótopos de níquel.

Este elemento não apresenta aplicações práticas e desconhecem-se as suas reações com o ar, a água, os halogéneos, os ácidos e as bases.


Como referenciar: darmstádio in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-24 02:32:53]. Disponível na Internet: