Dinastia Carolíngia

Segunda dinastia francesa que dominou grande parte da Europa entre meados do século VII e finais do século IX, cuja figura máxima foi Carlos Magno. A ascensão dos Carolíngios começa com Pepino de Herstal, em 687, quando este vence o seu rival da Nêustria-Borgonha, assenhoreando-se do território franco (681-714). Lutou contra Frísios, Bávaros e Saxões, antes subjugados pelos Merovíngios. Ao morrer deixa o trono ao seu neto, mas os Austríacos proclamam Carlos Martel, filho natural de Pepino (714-741), que submeteu os povos germânicos, à exceção dos Saxões, impondo aos vencidos tributos e abrindo caminho à sua conversão ao Cristianismo. Derrota, também, em 732, os Árabes em Poitiers.
O Papa Gregório III chama-o para o proteger dos Lombardos, mas entretanto Carlos Martel morre, deixando o poder a seus filhos Carlomano e Pepino, de acordo com a tradição sálica, o que se afigurava polémico. Todavia, Carlomano torna-se monge (747), restabelecendo-se a unidade à volta de Pepino que se tornou, assim, o primeiro monarca carolíngio.
Pepino, "o Breve", autorizado pelo Papa Zacarias e por S. Bonifácio, depõe, em 751, Childerico, último rei merovíngio, sendo proclamado rei pelos nobres francos e depois sagrado. Em 768, divide o reino pelos dois filhos, Carlos e Carlomano, então desavindos entre si. Em 771, morre Carlomano, concentrando-se o poder em Carlos, que ganha o cognome de "Magno". Este repudia a viúva de seu irmão, filha de Desidério, rei dos Lombardos, e assenhoreia-se dos territórios do falecido. Combate, com êxito, Saxões, Lombardos, Eslavos, Ávaros e o ducado da Baviera, lançando igualmente campanhas contra os Muçulmanos na Espanha (onde é por eles derrotado em Roncesvalles), estabelecendo, contudo, a Marca Hispânica.
A 25 de dezembro de 800, Leão III coroa-o imperador do Ocidente, restaurando o Império Romano. Porém, esta unidade não lhe sobrevive, pois na herança espartilha-o pelos filhos. Luís, "o Piedoso", pretendendo abolir o costume franco de dividir o reinado entre os herdeiros, lega o trono ao seu filho mais velho, Lotário. Os outros, Pepino e Luís, "o Germânico", ficam subordinados ao Império, à frente da Aquitânia e da Baviera. Mas, ao outorgar a Carlos, "o Calvo", filho do segundo casamento de Carlos Magno, o reino da Alemanha, origina tumultos e guerras que culminam em Verdun, em 843. Ali divide-se o império em três reinos: para Lotário I, o Centro (com Aix-La-Chapelle e Roma) e o título de imperador; para Carlos II, "o Calvo", o Ocidente; para Luís a parte oriental.
As fragmentações do reino e o fortalecimento dos vizinhos normandos e saxões, entre outros, abalam o poderio carolíngio.
Em 855, a Lotaríngia (de Lotário I) divide-se pelos filhos deste, Lotário II e Luís II (com o título imperial) e Carlos. Com a morte de Lotário II, seu tio, Luís, "o Germânico", recebe Aix-La-Chapelle e outros domínios e Carlos II, "o Calvo", herda, de Luís II, o título de imperador, sendo coroado em 875. Mas a morte de todos os seus descendentes obriga-o a dar a coroa a Carlos III, "o Gordo", filho de Luís, "o Germânico", deposto em 888 por Eudes, conde de Paris. Foi o fim da dinastia no Império.
Como referenciar: Dinastia Carolíngia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-24 22:35:32]. Disponível na Internet: