direita e esquerda

Segundo uma tradição muito antiga e presente em culturas e religiões diversas, a direita é um símbolo solar, masculino e positivo, e a esquerda um símbolo lunar, feminino e negativo. Os conceitos de positivo e negativo não têm aqui uma conotação de valor, mas de existência, ou seja, para serem completos necessitam do seu oposto.
Os valores atribuídos pelas diferentes civilizações aos lados direito e esquerdo têm muito provavelmente a ver com o movimento do Sol, que é efetuado para o lado direito no hemisfério boreal e para o lado esquerdo no hemisfério austral, quando se toma por referência o Este e o Sul. A direita e a esquerda são noções que surgiram com os mitos da criação dos seres humanos. Em grande parte das tradições universais da génese, o primeiro ser humano era andrógino, e o seu corpo encontra-se divido por um elemento masculino do lado direito e um elemento feminino do lado esquerdo. Segundo as tradições rabínicas, que divergem da versão bíblica, esta noção está presente no primeiro Adão, que, juntamente com Eva, teria constituído o primeiro ser inicial e que teria sido dividido por Deus. Nas filosofias hindus, existe o mesmo conceito em Purusha, o ser inicial cuja metade direita é homem e metade esquerda mulher. Na Bíblia, a direita é o local onde se encontra a retidão e o paraíso, a esquerda é o lugar dos condenados e do Inferno. O conceito da direita masculina, solar e positiva, e da esquerda feminina, lunar e negativa na Idade Média ocidental adquiriu uma conotação de valor, ou seja, a direita passou a ser também diurna, ativa e divina e a esquerda noturna, passiva e satânica. Segundo as crenças da altura, o Diabo marcava os seus seguidores com a sua garra no olho esquerdo e nas missas negras o sinal da cruz era realizado com a mão esquerda. A palavra em latim para esquerda, sinister, veio a dar o conceito de sinistro na língua portuguesa. Tanto na Grécia como entre os Celtas, a direita era um símbolo de êxito, força e habilidade, enquanto que a esquerda era um sinal de mau presságio e de desgraça. Entre os Índios da América, o deus Sol estava associado com a direita e a deusa Lua com a esquerda. Entre certas tribos africanas, os homens são sepultados sobre o seu lado direito e as mulheres sobre o seu lado esquerdo. No continente europeu, a direita é também um símbolo masculino de ordem, equilíbrio e justiça, e a esquerda traduz a desordem, a confusão e o desequilíbrio.
Esta conceção ocidental difere da tradição do Extremo Oriente, onde o lado esquerdo, noturno, é o lado mais favorável, tendo em conta que nestas culturas nenhum dos lados são verdadeiramente desfavoráveis, já que se complementam e fazem parte de um todo equilibrado, como o Yin e o Yang. Assim, a esquerda é mais divina e mística, representa o Céu, os homens e o princípio Yang, enquanto que a direita é o símbolo da Terra, dos assuntos profanos, das colheitas e associada à mulher e ao Yin. Na China, existia a crença de que os heróis e santos nasciam do lado esquerdo das suas mães. No Japão, a esquerda é masculina e simboliza o Sol, a sabedoria e a fé, enquanto que a direita é a Lua, a água e está associada à mulher.

Como referenciar: direita e esquerda in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-20 23:15:06]. Disponível na Internet: