disquete

A primeira disquete, ou memory disk como então foi chamada, foi inventada por um grupo de engenheiros da companhia IBM liderado por Alan Shugart, em 1971.
A disquete consiste num disco flexível e liso de um material chamado Mylar, revestido com óxido férrico, uma substância que contém partículas minúsculas capazes de manter um campo magnético. Este disco está encerrado num invólucro plástico protetor.
Os dados são armazenados em forma de ficheiros no disco flexível pela cabeça de leitura/gravação da unidade de disquetes, que altera a orientação magnética das partículas. A orientação num sentido representa o 1 binário; a orientação no outro, o 0 (zero) binário.
Hoje em dia são cada vez mais raros os antigos discos flexíveis de 5 e ¼, assim chamados por medirem 5,25 polegadas de diâmetro, com um furo grande no centro que encaixava em torno do eixo na unidade de disquetes. As disquetes de 3 e ½, com um diâmetro de 3,5 polegadas e maior capacidade, tornaram-se o formato padrão para as unidades de disquetes dos computadores pessoais.
A capacidade do disco flexível pode ir de algumas centenas de milhar até mais de um milhão de bytes.
Como referenciar: disquete in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-05 11:12:48]. Disponível na Internet: