ecossistema

Um ecossistema é constituído pelos organismos vivos que habitam uma determinada área, o seu meio ambiente/envolvente e as interações que se estabelecem entre estes elementos (entre organismos vivos ou entre estes e o seu meio envolvente). O conjunto de todos os ecossistemas está englobado pela ecosfera, que inclui a componente física da Terra (geosfera) e todas as formas de vida desta (biosfera).
Um ecossistema pode ser dividido em componente abiótica, ou biótopo - os elementos não-vivos, clima, solo, água, etc. - e componente biótica, constituída pelos seres vivos. A componente biótica é normalmente considerada como sendo constituída pelos produtores, as plantas verdes, pelos consumidores (herbívoros e carnívoros) e pelos decompositores. As relações que se estabelecem entre seres vivos da mesma espécie são ditas intraespecíficas, as que se estabelecem entre seres de espécies diferentes são interespecíficas, e existem ainda as relações entre seres vivos e o biótopo.
Há dois fluxos principais que condicionam o comportamento dos ecossistemas: o fluxo de energia e a transferência de materiais. A energia, cuja fonte principal é a luz solar, circula no ecossistema apenas numa direção, por oposição ao fluxo de materiais, que é cíclico. A energia fornecida pela luz solar é utilizada pelos organismos autotróficos do ecossistema. Estes são sobretudo plantas verdes, capazes de realizar a fotossíntese devido à presença de clorofila, que utilizam a luz solar para sintetizar matéria orgânica a partir de dióxido de carbono e água, substâncias inorgânicas. A energia e os nutrientes são depois transferidos ao longo do ecossistema, seguindo as relações alimentares estabelecidas. No entanto o número de níveis tróficos está limitado porque uma parte importante da energia que chega a cada nível é utilizada para sustentar esses organismos ou é simplesmente desperdiçada, e não está disponível para o nível imediatamente superior. Portanto tem de haver uma entrada contínua de energia no sistema, sob a forma de energia luminosa, para o manter em funcionamento. Os nutrientes têm também um percurso associado às relações alimentares, mas aqui existe um grupo de organismos, os decompositores, que quebram a matéria orgânica proveniente do metabolismo da componente biótica, transformando-a em matéria inorgânica que pode ser novamente utilizada pelos produtores, na fotossíntese. Fecha-se assim o ciclo dos nutrientes. Entre as diferentes comunidades (conjuntos de seres vivos que se inter-relacionam) podem estabelecer-se relações com diferentes características.
- As relações de competição implicam que um recurso limitado é disputado por vários organismos, apenas os mais aptos sobrevivem.
- As relações de predação supõe que um organismo, o predador, se alimenta de um outro, a presa. Este tipo de relação permite também a regulação do número de espécimes e a seleção dos mais aptos, consituindo um mecanismo de autorregulação do ecossistema.
- Nas relações de parasitismo um ou mais organismos de menor dimensão, os parasitas, retiram o seu alimento de um outro de maior dimensão, o hospedeiro, junto do qual habitam. Entre este tipo de relação e a predatória existe uma diferença fundamental, geralmente o organismo hospedeiro não morre como consequência da ação do parasita.
- No mutualismo existe uma relação que beneficia ambas as espécies associadas. Finalmente existe ainda um tipo de relação em que uma das espécies é beneficiada sem que a outra seja prejudicada, o comensalismo.
Os ecossistemas evoluem ao longo do tempo, num processo conhecido por sucessão. Quando uma área sofre uma perturbação forte que destrói a vida, como por exemplo um incêndio, começa a fase da colonização por espécies vegetais capazes de tolerar as condições ambientais prevalecentes. Estas primeiras espécies, normalmente pouco aptas a competir, são posteriormente substituídas por espécies mais competitivas e com maior esperança de vida. Nesta fase começam a surgir gradualmente arbustos e, à medida que o tempo decorre, árvores. O processo de substituição depende das características das espécies vegetais envolvidas, das interações com os animais e das condições ambientais, mas ao fim de um espaço de tempo mais ou menos longo atinge-se uma fase em que as modificações são muito lentas, porque as espécies existentes estão bem adaptadas às condições ambientais, são muito aptas e têm uma esperança de vida prolongada. A esta fase chamamos clímax.
Como referenciar: ecossistema in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 03:30:12]. Disponível na Internet: