edifícios vulcânicos

Na sua forma mais típica, podemos considerar num vulcão três partes principais, das quais duas estão escondidas nas profundezas da Terra, o foco magmático e a chaminé vulcânica, enquanto que a terceira está bem evidente na superfície do solo e pode atingir altitudes maiores que 3000 ou 4000 metros. O foco magmático, onde se encontram os materiais sólidos, fluídos ou gasosos que fluirão mais tarde, está situado na crosta terrestre, a profundidades variáveis. Estudos relativamente recentes demonstram que os vulcões havaianos de lava básica têm os seus focos à profundidade de 40 km ou se quisermos estão situados acima da superfície de Mohorovicic. Os focos dos vulcões de lavas ácidas estão situados a profundidades mais baixas. Encontram-se no meio dos maciços siálicos das massas continentais, provavelmente em relação com os magmas de anatexia que originam as rochas plutónicas graníticas. É provável que os vulcões andesíticos, isto é, aqueles que têm uma lava de composição intermédia entre o básico e o ácido, são alimentados por focos magmáticos extremamente profundos, situados por vezes a mais de 100 km abaixo da superfície do solo. O magma que sobe do foco armazena-se nas câmaras magmáticas, espécie de estações intermediárias, donde flui para a superfície.
A chaminé vulcânica é a conduta pela qual os vapores e magmas passam logo que fluem do foco ou da câmara magmática. Nos antigos complexos vulcânicos que estão inativos, a erosão demoliu com uma facilidade relativa o cone vulcânico exterior mas não conseguiu erodir o material consolidado, muito mais resistente e compacto que preenche a chaminé. Este material consolidado toma a forma de agulhas.
A parte mais conhecida de um vulcão é o edifício exterior, constituído por materiais que foram expelidos pela chaminé. Este edifício é geralmente da forma de um cone mais ou menos pontiagudo conforme a viscosidade maior ou menor do magma que caracteriza o vulcão. O cone pode ser constituído só por camadas de lava, quer por piroclastos (bombas, lapili, cinzas e escórias) quer, ainda, por estratificação alternada de lavas e piroclastos.
Todo o grande vulcão é o resultado de uma longa série de erupções, as quais podem apresentar, no decorrer do tempo, características muito diversas. Cada vulcão apresenta uma fisionomia muito própria, o que torna difícil a sua categorização.
Como referenciar: Porto Editora – edifícios vulcânicos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-01 12:20:29]. Disponível em