elasticidade (economia)

A análise económica recorre frequentemente ao estabelecimento de relações entre variáveis económicas diversas no sentido de proceder à explicação de factos e fenómenos diversos. Mais concretamente, torna-se por vezes necessário avaliar qual a forma e dimensão do impacto numa variável económica de uma variação numa outra variável. Nesse contexto é frequentemente utilizado o conceito de elasticidade.
A elasticidade de uma variável X face a uma variável Y corresponde à variação percentual que ocorre em X por cada variação percentual unitária (variação de 1%) que ocorra em Y.
De acordo com as variáveis que se relacionam, existem vários tipos de elasticidade específicos, sendo os mais frequentemente utilizados os seguintes: elasticidade-preço da procura; a elasticidade-preço da oferta; a elasticidade-preço cruzada da procura; e a elasticidade-rendimento da procura.
A elasticidade-preço da procura mede a variação percentual na quantidade procurada de um determinado bem que resulta da variação 1% no respetivo preço. Para a maior parte dos bens esta elasticidade terá um valor negativo, dada a relação habitualmente negativa entre preços e quantidades procuradas. Nesses casos, diz-se que quanto maior o valor negativo da elasticidade, mais elástica é a procura, e quanto mais próxima de zero estiver a elasticidade, mais rígida é a procura.
A elasticidade-preço da oferta corresponde à variação percentual verificada na quantidade oferecida pelos produtores decorrente de uma variação de 1% no preço do produto em causa. Por regra, a elasticidade-preço da oferta é positiva, pelo menos no curto prazo, já que é de esperar que com o aumento do preço de um produto no mercado, as intenções de venda dos produtores sofram também um aumento.
A elasticidade-preço cruzada da procura representa a variação percentual na quantidade procurada de um bem provocada pela variação de 1% no preço de outro bem. Esta elasticidade aplica-se a situações em que se verifica a existência de uma relação entre dois bens ou serviço, que pode ser de complementaridade ou de substituição no consumo. No caso de bens complementares, é de esperar que a elasticidade-preço cruzada da procura assuma valores negativos, já que o aumento do preço de um desses bens provocará à partida a diminuição na quantidade procurada dos dois, dada a sua relação de dependência. No caso de dois bens substitutos, em que o consumidor está disposto a trocar o consumo de um pelo outro, é de esperar que o aumento do preço de um deles implique o aumento da quantidade procurada do outro, pelo que a elasticidade-preço cruzada da procura será à partida positiva.
A elasticidade-rendimento da procura mede por sua vez a variação percentual verificada na quantidade procurada de um bem resultante de uma alteração de 1% no rendimento. Assim sendo, pode dizer-se que, para bens normais (cuja quantidade procurada aumenta quando aumento o rendimento), a elasticidade-rendimento da procura é positiva, enquanto que para bens inferiores (cuja quantidade procurada diminui como consequência do aumento do rendimento) este indicador assumirá à partida valores negativos.
Como referenciar: elasticidade (economia) in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-27 00:42:05]. Disponível na Internet: