Emílio Salgueiro

Psicanalista e psiquiatra português, Emílio Eduardo Guerra Salgueiro nasceu no ano de 1938. Licenciou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina de Lisboa, em 1964, e fez tese de doutoramento em Psiquiatria, apresentada na Faculdade de Medicina de Lisboa da Universidade Clássica, em 1992. Esta tese caracteriza as crianças com inquietude motora e com dificuldades de aprendizagem no seu percurso escolar e explicita que, em muitos casos, as crianças irrequietas ou muito ativas têm, na sua raiz, pais muito ansiosos.
Psicanalista didata da Sociedade Portuguesa de Psicanálise e membro da sua comissão de ensino, bem como da Associação Psicanalítica Internacional, em Londres, desde 1984, a sua lista de colaboração académica é extensa: é professor auxiliar do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa, na cadeira de psicopatologia da criança e do adolescente; professor na Clínica Universitária de Pediatria do Hospital de Santa Maria, da cadeira de psicologia e psiquiatria infantil e coordenador do núcleo de Saúde Mental infantil e Juvenil. Dá aulas ainda na Faculdade de Medicina de Lisboa e na Faculdade de Motricidade Humana na mesma cidade. É ainda professor do Curso de Formação em Psicanálise, do Instituto Português de Psicanálise, função que exerce desde 1985.
Foi presidente, entre 1992 a 2000, da comissão diretiva do Centro Doutor João dos Santos - Casa da Praia, e da Associação Portuguesa de Psiquiatria da Infância e da Adolescência. Fez Mestrado em Reabilitação: "Psicopatologia da criança, do adolescente e do idoso com deficiência visual".
Segundo Emílio Salgueiro, os pais, durante a gestação de um filho, vão construindo um bebé imaginário na sua mente, imaginando como será, quais serão as suas características físicas, etc., o que pode mais tarde influenciar o próprio bebé. É bastante importante a qualidade de interação pais/filho para um desenvolvimento saudável.
Faz parte do conselho de redação da revista Ata Pediátrica Portuguesa e escreveu vários artigos para a revista Análise Psicológica e para o Jornal Sociedade de Ciências Médicas, nomeadamente sobre saúde escolar e avaliação médico-pedagógica. Possui, desde 1964, sessenta e oito artigos publicados. Publicou dois livros, um por altura da sua dissertação de licenciatura, em 1964 - A psicose experimental pela psilocibina e, em 1996, editou a sua tese de doutoramento intitulada Crianças irrequietas: três estudos clínico-evolutivos sobre a "instabilidade motora" na idade escolar. Todo o seu trajeto profissional tem sido composto por inúmeras participações em associações e sociedades científicas em que a investigação sobre os problemas das crianças é a sua preocupação fundamental. Para Emílio Salgueiro, a evolução da psicopatologia infantil passa pela criação de modelos de compreensão nas doenças mentais infantis, tais como o autismo, etc.
Como referenciar: Emílio Salgueiro in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-06 17:53:24]. Disponível na Internet: