Enki

Era na mitologia suméria filho de Nammu, sendo o deus da sabedoria, da água, da fecundidade e da criação. Foi designado guardião das leis divinas (me) por En-lil, distribuindo-as pelos homens e pelas cidades de Eridu (a cidade de Enki), Dilmun, Meluhha e Ur. Ishtar (ou Inanna) queixou-se que lhe tinha sido dado pouco poder por Enki. Conta-se também que ela o embriagou para adquirir mais me's, tendo fugido depois para Uruk, onde ficou a salvo pois era a principal cidade a prestar-lhe culto.
Diz-se que poderia ter sido senhor das profundezas, com o nome de En-kur. O poema de Gilgamesh relata a sua luta com o deus Kur, da qual saiu vencedor passando a denominar-se Senhor do reino de Kur.
Foi este deus que criou os homens para ajudarem os deuses, a partir de barro e com a ajuda de Nintu. O primeiro homem chamava-se Adapa.
Erigiu do mar uma cidade sua, Eridu (cujo nome significa boa cidade e que na Antiguidade se situava no Golfo Pérsico, sendo atualmente Abu Shahrein), oferecendo um banquete aos outros deuses em comemoração. Nesta festa honrou especialmente os deuses An, Nintu e En-lil. O templo de E-apsu era-lhe dedicado, significando este nome casa das profundezas aquáticas.Este deus teve relações com as deusas Nintu, Ninsar, Ninkur e Uttu. Desta última teve oito filhos que eram novas espécies de árvores, que matou. Como castigo, Nintu infligiu-lhe oito feridas, que só foram curadas por ela a pedido de En-lil e de uma raposa, nascendo oito novos filhos.
Num período tardio, este deus passou a ser conhecido pelo povo acádio como Ea ou Niudimmud, pai de Marduk e filho de An.
Este deus era normalmente representado como um homem coberto por um peixe. Diz-se, no entanto, que também a cabra lhe era dedicada, sendo um dos signos do Zodíaco, Capricórnio, derivado da união do peixe e da cabra.
Como referenciar: Porto Editora – Enki na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-07 11:41:07]. Disponível em