enxames galácticos

Desde as observações de Edwing Hubble sobre as "nebulosas" difusas até às mais recentes observações do telescópio espacial Hubble de galáxias distantes o conhecimento sobre a estrutura do Universo tem evoluído muito. Entre outras, permitiram conhecer que as galáxias não se distribuem aleatoriamente no espaço, mas que pelo contrário se agrupam em estruturas maiores chamadas enxames galácticos. A nossa galáxia, a Via Láctea, faz parte de um enxame com cerca de trinta galáxias denominado grupo local. Do nosso enxame fazem parte entre outras, além da Via Láctea e Andrómeda, a Grande Nuvem de Magalhães, a Pequena Nuvem de Magalhães e a galáxia Sagitário, uma galáxia anã irregular que está neste momento a ser engolida pela Via Láctea. A Via Láctea e Andrómeda são as maiores galáxias do nosso enxame e encontram-se neste momento em rota de colisão, o que deverá, contudo, ocorrer apenas dentro de alguns milhares de milhões de anos, já depois do Sol se extinguir.
Por sua vez, estes enxames estão agrupados em estruturas maiores denominadas superenxames. Cada superenxame é constituído por vários enxames de galáxias. O grupo local, enxame do qual faz parte a Via Láctea, pertence ao superenxame da Virgem.
Como referenciar: enxames galácticos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-06 06:03:27]. Disponível na Internet: